sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Teresina de Goiás e Damianópolis/GO estão entre os menores PIB per capita do estado; Veja a lista completa



A economia do interior goiano agregou mais valor à produção, entre 2014 e 2015, e abocanhou uma parcela maior (73,1%) na participação do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado, embora mais de um quarto do valor total, de R$ R$ 173,632 bilhões, ainda tenha sido movimentado pela economia da Capital (26,9%). É o que mostram os dados consolidados do PIB Municipal de 2015, divulgados nesta quinta-feira, dia 14, pelo Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos, da Secretaria de Gestão e Planejamento (IMB/Segplan), em consonância com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dez municípios mais ricos do Estado continuam praticamente os mesmos. A única diferença foi a entrada de São Simão e a saída de Caldas Novas desse seleto grupo. São eles: Goiânia, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Rio Verde, Catalão, Itumbiara, Jataí, Luziânia, São Simão e Senador Canedo, embora eles tenham perdido uma pequena porcentagem na formação do PIB total do Estado. Em 2014, esses mesmos municípios eram responsáveis por 59,90% do PIB goiano. Em 2015, essa fatia caiu para 58,80%, representando R$ 102,170 bilhões.

Os dez menores municípios goianos em relação do PIB de 2015 foram: Anhanguera, Jesúpolis, Cachoeira de Goiás, Palmelo, Damianópolis, Teresina de Goiás, Guaraíta, Adelândia, Morro Agudo de Goiás e São Patrício.

No interior do Estado, os maiores ganhos de participação do PIB vieram dos municípios de São Simão, Minaçu, Rio Verde, Trindade e Cachoeira Dourada. A perda de Goiânia em 2015, na comparação com 2014, foi devido, principalmente, à redução do valor adicionado da indústria de transformação, na atividade de construção civil.

A superintendente do IMB/Segplan, Lillian Maria da Silva Prado, observa que 41,5% dos municípios goianos possuíam, em 2015, a atividade de serviços como a mais representativa na economia local. A agropecuária também possui grande importância, pois 87 municípios a tiveram como principal atividade econômica. A administração pública se destacou na estrutura positiva de 36 municípios goianos. Por outro lado, a Indústria vem perdendo participação econômica, de forma que apenas 8,5% dos municípios goianos a apresentaram como principal atividade produtiva. Nessa atividade, destaca-se o município de São Simão, em que a Indústria representou 89,6% de sua economia, puxada pela geração de energia elétrica.

Ranking

No ranking dos 100 maiores municípios em PIB do Brasil aparecem duas cidades: Goiânia, na 15ª posição – ganhou uma posição em relação a 2014 – e Anápolis na 65ª. A liderança continua com São Paulo, seguido do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Manaus, Osasco (SP), Salvador e Fortaleza. Vale ressaltar que entre os municípios das capitais brasileiras, Goiânia ocupa a 11ª posição, mesma do ano anterior.

Dos 10 maiores municípios brasileiros na agropecuária a liderança é de São Desidério (BA). Rio Verde aparece no 3º lugar e Jataí na 8ª posição. A grande maioria desses municípios está no Centro-Oeste. No ranking goiano os principais são: Rio Verde, Jataí, Cristalina, Mineiros, Goiatuba, Luziânia, Catalão, Chapadão do Céu, Paraúna e Montividiu.

No que se refere ao valor adicionado (VA) da indústria os maiores municípios goianos foram: Goiânia, Anápolis, São Simão, Aparecida de Goiânia, que concentram 44% desse valor, seguido de Catalão, Rio Verde, Itumbiara, Minaçu, Luziânia e Senador Canedo. No VA dos serviços (incluindo a administração pública), destacaram-se Goiânia, Anápolis, Rio Verde, Catalão, Itumbiara, Jataí, Luziânia, Cidade de Goiás e Senador Canedo.

Em 2015, as economias goianas com maior dependência da administração pública, de acordo com o IMB/Segplan, foram: Anhanguera, Teresina de Goiás, Damianópolis, Jesúpolis, Santo Antônio do Descoberto, Colinas do Sul, Palmelo, Bonfinópolis, Guarani de Goiás e Nova Gama. Já as economias com menor dependência da administração pública foram: São Simão, Cachoeira Dourada, Chapadão do Céu, Davinópolis, Perolândia, Ouvidor, Paraúna, Pilar de Goiás, Alto Horizonte e Catalão.

Em termos de PIB per capita, em 2015, três municípios goianos se destacam no cenário nacional: São Simão, em 17ª posição, com valor de R$ 162.544,60; Davinópolis (37º lugar), com R$ 102.998,16 e Perolândia (38º), com R$ 101.882,14. No ranking goiano os maiores são: São Simão, Davinópolis, Perolândia, Alto Horizonte, Chapadão do Céu e Cachoeira Dourada. Já os menores PIB per capita são: Novo Gama, Bonfinópolis, Santo Antônio do Descoberto, Damianópolis, Águas Lindas de Goiás e Teresina de Goiás.

O estudo do IMB/Segplan mostra que os municípios com os menores PIBs per capita do Estado estão predominantemente nas regiões Leste e Norte e possuem baixa densidade populacional e forte dependência da atividade de administração pública. Ou seja, dependem de transferência de recursos públicos.

O estudo completo pode ser acessado pelo site: www.imb.go.gov.br








Assessoria de Comunicação da Segplan

Nenhum comentário:

Postar um comentário