terça-feira, 9 de janeiro de 2018

No coração do Brasil, cavernas do Parque Estadual de Terra Ronca têm cenário marciano





Parece um cenário de outro planeta, mas é na Terra e mais especificamente no coração do Brasil, no nordeste de Goiás. O Parque Estadual de Terra Ronca, situado nos municípios de Guarani e São Domingos, possui quase 300 cavernas de todos os tamanhos e é o maior do estilo na América do Sul.

Datado com 600 milhões de anos, o Complexo é a Meca para os amantes do espeleoturismo e conta com 17 grutas abertas para visitação.

Entre centenas de cavidades, uma delas se destaca pela magnitude e beleza incrível, a Lapa Terra Ronca. Sua abertura mede 120 metros de largura por 96 metros de altura, sendo uma das maiores do Brasil. Formada por rochas dolomíticas e calcário, a caverna ganhou seu nome pelo ´ronco´ do rio Lapa, que corre em seu interior ecoando ao fluir entre as pedras. Situada próxima a ela, está sua ´irmã´, a caverna de Terra Ronca II. No passado, ambas eram conectadas até um desmoronamento de rochas fechar a ligação.

O cenário em seu interior lembra as famosas paisagens marcianas.

A mais celebre entre as cavernas da região, a Terra Ronca I tem fácil acesso e sua entrada está situada rente a estrada que corta o parque. Logo na boca da cavidade, se destaca o altar onde é realizada a "Festa de Bom Jesus da Lapa", todo dia 6 de agosto.

Conhecida por seus salões exuberantes, que medem até 100 metros de largura por 700 metros de comprimento, a caverna é a mais visitada de todo o complexo. Já a Terra Ronca II é acessível após a travessia do rio da Lapa. O percurso com um quilômetro de extensão leva os aventureiros até as profundezas da cavidade e apresenta sua beleza ímpar formada por centenas de estalactites e estalagmites.

Ainda em processo de mapeamento, algumas cavernas do Parque estão sendo exploradas há décadas e não foram totalmente percorridas. A Lapa de São Vicente, com mais de 13 quilômetros de extensão, está sendo mapeada desde os anos 1970 e ainda esconde muitas belezas dos geólogos. Até os dias atuais, já foram descobertas 12 cachoeiras em seu interior.

Outra caverna famosa da região é a Angélica, que está listada entre as maiores do país com 14 quilômetros de extensão. A trilha em seu interior dura aproximadamente 24 horas e é necessário pernoitar dentro da cavidade. Os córregos de água cristalina dão um charme ainda maior ao local.

Fonte: Uol/Guia do Litoral

Nenhum comentário:

Postar um comentário