segunda-feira, 21 de maio de 2018

Caminhoneiros protestam em dois trechos da BR-020




Os caminhoneiros realizaram nesta segunda-feira (21), uma paralisação geral nacional, eles cobram do governo federal medidas para mitigar o impacto do aumento do diesel, como a isenção de tributos.

Na BR-020, a manifestação ocorreu em dois trechos, em Formosa, no entorno do Distrito Federal, e em Luís Eduardo Magalhães, no Oeste da Bahia.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os atos são pacíficos. Os caminhoneiros solicitam a parada de outros caminhoneiros para que aderirem ao movimento. Em Formosa, houve um princípio de queima de pneus, mas a situação foi controlada.

Em Luís Eduardo Magalhães, os caminhoneiros fecharam as saídas para Brasília, Tocantins e Barreiras.

“Nossa manifestação é pacífica. Nós não interrompemos a viagem dos veículos de passeio e nem daqueles caminhoneiros que estão com cargas vivas ou perecíveis. Nós só queremos que aqueles que podem, participem do ato para que possamos lutar por melhorias. Nós começamos hoje, mas não temos data para terminar”, disse um motorista.

O aumento constante do preço nas refinarias e dos impostos que recaem sobre o óleo diesel tornou a situação insustentável para o transportador autônomo. Além da correção quase diária dos preços dos combustíveis realizada pela Petrobras, que dificulta a previsão dos custos por parte do transportador.

Duas distribuidoras de combustíveis em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia, e outra no Jardim Novo Mundo, na capital, foram bloqueadas pelos motoristas.

O ato dos caminhoneiros em Goiânia e região metropolitana pode atrapalhar o abastecimento dos postos combustível da capital. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios Derivados de Petróleos do Estado de Goiás (SindiPetro), Ageu Cavalcanti, disse que, mesmo com as manifestações, os trabalhadores das distribuidoras continuam com suas atividades normalmente.

A manifestação começou nesta segunda-feira e só deve terminar quando o governo assinar o decreto com as melhorias exigidas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário