segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Operação Caifás: Padre Jarbas diz que falta de transparência iniciou crise na diocese de Formosa/GO



Recomeçou às 15 horas a audiência no Fórum de Formosa para oitivas das testemunhas listadas pelo Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) no processo que investiga desvios de cerca de R$ 2 milhões da Diocese do município.

O padre Jarbas Gomes Dourado passou cerca de uma hora respondendo às perguntas da promotoria e desde então responde aos questionamentos dos 11 advogados de defesa dos acusados.

O pároco afirmou em depoimento até agora que a falta de transparência na prestação de contas foi o estopim para a crise, mas que não houve esvaziamento das igrejas, mas uma movimentação dos fiéis para outras paróquias.

Não há previsão de término das oitivas, mas novas audiências deverão ser marcadas, já que outras 31 pessoas estão na lista para serem ouvidas.

Defesa

Defensor de cinco dos padres envolvidos, o advogado Bruno Espineira afirmou que a ausência de ato ilícito na vida particular dos religiosos foi esclarecida e que o patrimônio particular destes “nada tem a ver com a igreja”. "A linha que a defesa dos religiosos segue neste processo é muito clara. Qualquer leitura dos atos praticados pelos párocos são pontuais e ocorrem no exercício da função religiosa, na esfera da igreja”, disse ele.

“No que se questiona sobre a vida particular, ficou claro a licitude dos atos. O patrimônio particular dos padres nada tem a ver com a igreja. Se houve uma prática inapropriada é para se corrigir no âmbito da igreja. Se ocorreu um equívoco de gestão não podemos entender que houve crime”, continuou.

Os advogados dos demais padres acusados foram contatados pela reportagem, mas, até o momento, não enviaram respostas.

Fonte: O Popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário