sábado, 30 de março de 2019

Deputado Estadual Paulo Trabalho diz que não houve golpe em 1964 e que Brasil não teve ditadura militar



Em meio à discussão sobre as comemorações do golpe militar de 31 de março de 1964, orientadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), o deputado estadual Paulo Trabalho (PSL) declarou, na última quarta-feira (27) durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa, que a tomada do poder pelos militares “não foi golpe” e tampouco uma ditadura.

“O presidente João Goulart foi cassado à época pelo Congresso Federal, portanto eles são representantes do povo e tinham legitimidade para fazer aquilo”, argumentou ele em entrevista.

Paulo Trabalho pontuou ainda que a ditadura foi responsável por grandes obras de infraestrutura no Brasil e que João Goulart foi cassado porque estava “colocando o Brasil à beira do comunismo”. “O presidente está reverenciando o trabalho das forças armadas em não terem permitido a entrada do comunismo no Brasil e exaltando as grandes obras que eles fizeram.”

Questionado sobre as violações de direitos humanos e constitucionais no período, ele afirmou que só “bandidos” e “quem não queria trabalhar” sofreu com o regime. “Quem era pessoa de bem, podia andar tranquilamente na rua. Os bandidos é que estavam sendo perseguidos, terroristas, inclusive deixaram escapar Dilma Rousseff e o Lula (ambos ex-presidentes do PT)”, sustentou.

Depois da declaração, Amilton Filho (Solidariedade) e Lucas Calil (PSL) repudiaram as afirmações do deputado.

Fonte: O Popular

Um comentário:

  1. Um verdadeiro boçal, esse Paulo Trabalho! Deputado puxa saco de Bolsonaro, vamos estudar mais, antes de sair falando abobrinha. Infelizmente temos políticos como o senhor, foi golpe sim! Não sabe nem o que é comunismo pra sair "arrotando" em seção. O que seriam esses bandidos e esses cidadães de bem? Educação é a base de tudo.

    ResponderExcluir