quarta-feira, 22 de maio de 2019

Governo usa reserva e libera R$ 1,58 bi para Educação após protestos



O governo anunciou nesta quarta-feira, 22, um contingenciamento de R$ 2,181 bilhões no Orçamento federal, mas assegurou que não haverá impacto sobre nenhum órgão do Poder Executivo.

A equipe econômica optou por gastar a reserva de recursos para amortecer o impacto das revisões e ainda decidiu liberar R$ 1,587 bilhão para o Ministério da Educação, que tinha até então um total de R$ 7,4 bilhões de recursos contingenciados. Houve ainda liberação de R$ 56,6 milhões para o Meio Ambiente.

O governo costuma detalhar os órgãos afetados ou não por um contingenciamento apenas no dia do decreto de programação orçamentária, que sai no dia 30 após a divulgação do relatório de avaliação do Orçamento. Mas na semana passada um protesto contra cortes na Educação levou multidões às ruas em várias cidades.

O diagnóstico da necessidade de um novo bloqueio nos gastos também vinha preocupando a ala política do governo. Com isso, o governo resolveu informar desde já a blindagem dos órgãos. "Não teremos contingenciamento adicional por órgão do Poder Executivo", afirma o documento.

A reserva tinha R$ 5,372 bilhões, recursos que poderiam ser liberados para demandas emergenciais dos órgãos diante do primeiro contingenciamento de R$ 29,8 bilhões.

Ainda restou um saldo de R$ 1,562 bilhão na reserva orçamentária. Os demais poderes, por sua vez, devem ter um bloqueio de R$ 14,6 milhões, proporcional ao valor total do contingenciamento.

PIB menor

O governo baixou para 1,6% a previsão para o crescimento da economia neste ano, ante projeção anterior de 2,2%. A nova estimativa foi divulgada nesta quarta-feira e serve como base para o relatório bimestral de receitas e despesas.

A reestimativa do governo para o PIB foi feita no início do mês, justificou o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. A previsão do governo está acima das estimativas do mercado (1,24%, de acordo com o último Boletim Focus).

Diante do pessimismo cada vez maior do mercado em relação ao desempenho do PIB este ano, o secretário informou que o governo segue atento e fará novos cálculos se necessário. "Sabemos que o mercado já revisou para baixo", reconheceu. "Reavaliaremos a estimativa à medida que tenhamos novas informações", afirmou Rodrigues.

Segundo ele, os dados dos parâmetros são calculados periodicamente, mas o governo fecha a grade no início do mês diante da necessidade de fazer outras contas em cima desses parâmetros. "Claramente esse valor (do PIB) tem impactos sobre o Orçamento", afirmou.

A equipe econômica aumentou ainda a previsão para a inflação medida pelo IPCA, de 4,2% na avaliação do primeiro bimestre para 4,8% agora, e, pelo IGP-DI, de 4,3% para 6,1%.

Petrobrás

O governo contou com o pagamento da dívida da Petrobrás com a União e com um maior repasse de dividendos pelas estatais e aumentou a projeção de receitas totais esperada para este ano em R$ 711 milhões.

Com a estimativa de crescimento menor da economia, as receitas administradas, que incluem impostos e contribuições, devem ser R$ 5,459 bilhões menor neste ano, de acordo com o relatório bimestral de receitas e despesas, divulgado nesta quarta-feira.

Já as receitas não-administradas, que incluem royalties de petróleo, subiram R$ 5,741 bilhões. Com isso, a projeção de receita líquida ficou R$ 3,183 bilhões menor. Houve aumento de R$ 3,582 bilhões na arrecadação com a exploração de recursos naturais, principalmente por conta do pagamento da dívida da Petrobras com a União.

Outros R$ 1,656 bilhão são esperados a mais neste ano em dividendos e participações. O governo espera ainda R$ 286,7 milhões a mais em concessões e permissões.

Estadão Conteúdo

Número de aposentados é maior que trabalhadores com carteira assinada em Alvorada do Norte, Buritinópolis, Guarani, Iaciara, Divinópolis e São Domingos



Número de aposentados é maior que trabalhadores formais em Buritinópolis, Alvorada do Norte, São Domingos, Guarani de Goiás, Iaciara, Divinópolis e mais 26 cidades goianas. Levantamento aponta cidades onde o número dos que recebem aposentadoria é maior que o de quem tem carteira assinada.

São 17 horas de uma quarta-feira e Evanildes Pereira Lopes, 60 anos, corta a grama do campinho de futebol que tem no fundo de casa, em Buritinópolis, no Nordeste de Goiás, próximo à divisa com a Bahia. Se não fosse pela aposentadoria, nesse horário o policial militar reformado estaria patrulhando as ruas do município, onde mora com a família desde 1993.

A conquista do benefício veio em 2001, quando Evanildes, mais conhecido como Cabo Lopes, passou a fazer parte do grupo que hoje soma 616 pessoas no município. O número coloca Buritinópolis, cidade com 3.302 habitantes, em primeiro lugar quando o assunto é a quantidade de aposentados pelo INSS (2,2) por trabalhador formal em Goiás. O levantamento foi realizado pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), a pedido do jornal O Globo.

Além de Buritinópolis, os maiores índices foram registrados por Santa Terezinha de Goiás (2,1), Uruana (2,1), Alvorada do Norte (1,9) e Bom Jardim de Goiás (1,8). Os dados de aposentadorias foram coletados em relatórios da Secretaria da Previdência e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais). Goiás é o 20º colocado no ranking nacional, com 12,6% de cidades com mais aposentados.

As outras cidades do nordeste goiano com mais aposentados por trabalhador com carteira assinada; São Domingos (1,5), Guarani de Goiás (1,3), Iaciara (1,1) e Divinópolis (1,1).

Entre as características que estes municípios têm em comum estão o trabalho informal e a administração pública como uma das principais atividades econômicas. Em contrapartida, a tranquilidade da cidade pequena chama atenção dos aposentados. “Cheguei aqui quando a cidade era ainda menor. Morei, me adaptei e decidi ficar. Tem muita paz aqui”, afirma Cabo Lopes.

A prefeitura de Buritinópolis tem 207 funcionários efetivos. Além dos órgãos municipais, a população trabalha em pequenos comércios da cidade e em fazendas da região. De acordo com a prefeita Ana Paula Soares (PSDB), o principal desafio é o desemprego. “A prefeitura não consegue absorver todas as pessoas que nos procuram. Muitos saem para trabalhar em propriedades rurais de cidades vizinhas. O melhor seria trazer uma indústria para cá, que gerasse emprego para as pessoas. A região Nordeste de Goiás está esquecida”, afirma a prefeita. Buritinópolis completou 27 anos na sexta-feira (26). Antes, o município fazia parte de Mambaí.

Emprego

Prefeito de Santa Terezinha de Goiás, cidade localizada no Norte do Estado, Antonio da Penha (PDT) afirma que os principais empregadores do município são a prefeitura, o comércio local e a pecuária. Santa Terezinha é a segunda colocada no ranking das cidades goianas com mais aposentados por trabalhador formal e o prefeito também afirma que o principal desafio é atrair indústrias para a região. “Acredito que a pecuária e a agricultura seriam fontes de crescimento. É uma cidade muito boa de viver. Estamos abertos para o microempresário e para grandes indústrias também. Inclusive, temos interesse em doar terrenos para elas se instalarem aqui”, diz o prefeito.

Com dois aposentados para cada pessoa com trabalho formal, Uruana tem a agricultura como principal atividade econômica e aparece ao lado de Santa Terezinha no segundo lugar do ranking. Para o prefeito Cássio Gusmão de Oliveira (MDB), a informalidade colocou a cidade entre as primeiras colocadas na pesquisa. “Tínhamos indústrias de confecção que contratavam com carteira assinada, mas com a crise elas foram fechando. No campo quase não se assina carteira. A prefeitura tem quase 500 servidores, mas não entra na conta, porque não é CLT”, comenta Cássio.

Estado

De acordo com o secretário de Indústria, Comércio e Serviços de Goiás, Wilder Morais, o objetivo do governo é regionalizar o desenvolvimento do Estado, de acordo com a vocação de cada uma das regiões. Ele avalia que o número de aposentados maior em determinados locais é natural. “Estamos fazendo um mapeamento de todo o Estado. No caso das regiões Norte e Nordeste, são fortes na mineração. Estamos levantado as potencialidades delas”, disse.

Fonte: O Globo/O Popular

Acidente entre dois caminhões deixa 4 pessoas feridas na BR-020




Uma batida entre dois caminhões deixou quatro pessoas feridas, na tarde da última terça-feira (21), na BR-020, no município de Correntina, região Oeste da Bahia.

O acidente aconteceu próximo ao Posto São Pedro. O corpo de bombeiros e o Samu realizaram o atendimento e resgate das vítimas.

O condutor de um dos caminhões ficou preso às ferragens com fratura exposta no membro inferior esquerdo. Outras três vítimas, com ferimentos, cortes contusos e escoriações diversas.

Todas as vítimas foram encaminhadas à Unidade Hospitalar de Posse.


Posse/GO: Preso por espancar a mulher agiu em legítima defesa e nega que a deixou amarrada por 36 horas, diz advogado



O advogado do técnico em telecomunicações Leandro Sousa Sampaio, de 33 anos, preso suspeito de espancar a companheira, Keilla Carneiro de Carvalho, de 19, diz que ele agiu em legítima defesa. Segundo Euler Antônio de Araújo, ele apenas revidou a uma agressão que estava sofrendo durante uma discussão, em Posse, região nordeste de Goiás.

O defensor admitiu que seu cliente amarrou a vítima, mas negou que ela tenha sido mantida assim por 36h, como afirmou à polícia. O tempo, afirma, foi de "uns 7 minutos". A jovem está internada.

Leandro foi detido na terça-feira (21), logo após se entregar à polícia, em Alvorada do Norte, distante 58 km de Posse, em cumprimento a um mandado de prisão que há havia sido expedido pela Justiça. Logo em seguida, ele prestou depoimento.

"Ele revidou as ações que ela praticou contra ele, ele praticamente agiu em legítima defesa. Ele está todo machucado", disse Araújo a reportagem.

De acordo com o advogado, o casal já estava se desentendendo e Leandro, ao chegar em casa, disse que iria embora. Porém, conforme ele, Keilla trancou a porta, não deixou e o empurrou. Depois, partiu para cima dele e também mordeu seus dedos.

O defensor alega que, em dado momento, a jovem pegou um pedaço de madeira e golpeou o companheiro na cabeça.

"Ele perdeu a cabeça e jogou ela no chão. Ele declarou isso, mas não deu nenhum murro nela. Ele jogou ela no chão quando recebeu a pancada. Foi uma reação dele porque ela acertou uma paulada nele violenta", afirma.

Amarrada

O caso aconteceu na madrugada de quinta-feira (16), na residência onde o casal reside. Segundo relato dela à polícia, após ser espancada, ela teve os pés e mãos amarrados, foi amordaçada e assim ficou por cerca de 36h. Somente por volta das 17h é que ela disse ter sido solta.

O advogado admite que Leandro amarrou a namorada, mas questiona o tempo alegado por ela.

"Ele realmente a amarrou porque ela já tinha furado ele três vezes já com uma faca. Ele não estava confiando, ficou com medo. Ele amarrou, mas não ficou muito tempo não. Ele falou que foi uns sete minutos", afirma.

Araújo afirmou que eles foram dormir em locais separados e no dia seguinte chegou a ir à farmácia para comprar remédios para ela. No sábado (18), ela passou mal e foi levada ao hospital por parentes dele, que fugiu.

Discussão

O advogado disse também que a discussão ocorreu devido ao fato de que Leandro queria ir embora de casa e Keilla não queria deixar. O delegado Alexandre Câmara, responsável pelo caso, confirmou a situação, mas disse que, nas palavras dela, a situação ocorreu diferente.

"Ela confirma que houve a briga, mas que pegou a madeira e atingiu o companheiro para se defender enquanto era esganada por ele", destaca.

Câmara afirmou, porém, que as lesões de Keilla, principalmente os hematomas do rosto, contradizem a tese de legítima defesa apresentada pelo suspeito.

Ele aguarda um laudo da perícia para saber a gravidade das lesões. A priori, o caso foi registrado como lesão corporal e cárcere privado. Porém, no decorrer da investigação, a tipificação pode mudar para tentativa de homicídio.

Peritos estiveram na residência do casal na manhã desta quarta-feira (22) e recolheram o objeto que teria sido usado para amarrar a vítima e remédios. Manchas de sangue foram encontradas pelo imóvel.

Fonte: G1

terça-feira, 21 de maio de 2019

Advogados negociaram rendição de homem que agrediu brutalmente sua companheira em Posse/GO; ela continua hospitalizada, sem previsão de alta



Os policiais civis da Delegacia de Polícia (DP) de Posse deram cumprimento, nesta terça-feira (21), ao mandado de prisão em desfavor de Leandro Sousa Sampaio. Ele é suspeito de ter agredido a própria companheira.

A vítima relatou à Polícia Civil que teve uma discussão com Leandro na última quinta-feira (16 de maio), ocasião em que foi brutalmente agredida, enforcada, além de ficar por horas amarrada e com a boca amordaçada com fitas adesivas. Nesse período, Leandro aproveitou para dormir e só libertou a vítima horas depois, quando acordou.

Ele ainda impediu que a companheira pedisse socorro, uma vez que tomou o celular dela.  Para se defender das agressões, ela lutou contra o agressor e lesionou seu rosto na região ocular, mas não conseguiu fugir.

No sábado, o autor fugiu da cidade, deixando a companheira com sua irmã, que então ligou para o SAMU. A vítima foi socorrida e levada para o hospital municipal de Posse com os dois olhos roxos e várias escoriações pelo corpo.

Durante exames no hospital, constatou-se também que ela está com um coágulo no seio em decorrência das lesões. Por isso a vítima ainda continua hospitalizada, sem previsão de alta.

A Polícia Civil representou pela prisão preventiva do autor junto ao Poder Judiciário. Foram feitas diligências para localizá-lo, mas na manhã desta terça-feira, os advogados de Leandro negociaram sua rendição.

Ele se apresentou na Delegacia de Alvorada do Norte acompanhado de familiares e advogados. O crime teve grande repercussão na região, devido ao nível da violência empregada pelo autor.

Leandro Sousa Sampaio já tinha outras passagens pela polícia, também por agressão a companheiras. Preso, ele agora está à disposição do Poder Judiciário.

Fonte: Polícia Civil

Motorista passa mal e veículo sai da pista na GO-447, em Divinópolis de Goiás



Um motorista saiu da pista com o veículo que conduzia nesta terça-feira (21), na GO-447, próximo ao Distrito de Vazante, no município de Divinópolis de Goiás, no nordeste do estado.

O veículo, um caminhão boiadeiro, acabou caindo em um barranco. Segundo informações, o motorista teve uma queda de pressão.

A vítima foi encaminhada para o hospital de Divinópolis, na qual recebeu atendimento e passa bem.

Homem é preso suspeito de espancar a companheira e depois mantê-la amarrada e amordaçada por 36 horas, em Posse/GO




Um homem de 33 anos foi preso suspeito de espancar a companheira, de 19, e, logo em seguida, mantê-la em cárcere privado, amarrada e amordaçada, por 36 horas, em Posse, região nordeste de Goiás. A vítima, Keilla Carneiro de Carvalho, teve diversos hematomas, principalmente na região do rosto, e está internada.

O suspeito, Leandro Sousa Sampaio, procurou a polícia na tarde desta terça-feira (21), em Alvorada do Norte, distante 58 km de Posse, quando foi cumprido um mandado de prisão preventiva já expedido pela Justiça contra ele. A corporação não soube dizer o nome do seu advogado.

De acordo com o delegado Alexandre Câmara, responsável pelo caso, a jovem prestou depoimento ainda no hospital e relatou o que aconteceu. Segundo ela, eles tiveram uma discussão e então o companheiro começou a agredi-la.

"Ela começou a ser agredida na madrugada de quinta-feira [17]. O que chamou a atenção e que deixa a situação muito complicada é que ele amarrou as mãos e os pés dela com uma fita adesiva, a amordaçou e a manteve assim até as 17h de sexta-feira [18]. Depois, ele entendeu por bem deixar ela sentada ao lado de um guarda-roupas e foi dormir", afirma.

Alexandre Câmara disse que, conforme o relato da vítima, o suspeito bateu a cabeça dela no chão várias vezes. Após o episódio, informa o delegado, Leandro chamou alguns parentes, inclusive a irmã, que é enfermeira, para ver a situação da jovem. Os próprios familiares acionaram o socorro e ele fugiu.

Keilla alegou que já tinha sido agredida outras vezes, mas nunca chegou a denunciar o companheiro, com quem vivia em união estável.

O responsável pela investigação disse que Leandro já tem passagens por lesão corporal e ameaça contra outra mulher com quem se relacionou anteriormente.

O caso foi registrado como lesão corporal e cárcere privado. Porém, no decorrer das investigações, a tipificação do crime pode se tornar mais severa. O delegado afirma que o caso provocou uma comoção muito grande na cidade.

"Ele é uma pessoa de uma maldade sem tamanho. O crime que ele praticou não foi uma agressão comum, foi uma coisa muito cruel. Ela poderia ter morrido. Estou aguardando o laudo da Polícia Técnico-Científica para saber a gravidade das lesões. Ao final do inquérito, pode se caracterizar uma tentativa de homicídio", diz o delegado.

Fonte: G1

Atleta natural de Alvorada do Norte/GO vive ritmo intenso rumo ao sonho paralímpico

Jani Freitas (E) e Adria de Jesus

Restando alguns meses de preparação para a disputa dos Jogos Parapan-Americanos de 2019, que ocorrerão em Lima, capital do Peru, entre 23 de agosto e 1° de setembro, a seleção brasileira feminina de vôlei sentado busca, com a ajuda de duas atletas goianas, a manutenção dos bons resultados em competições internacionais.

Bronze nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, Adria de Jesus, de 35 anos, e Jani Freitas, de 32, buscam uma vaga na próxima Paralimpíada, em Tóquio, no ano que vem.

Elas trabalham em ritmo acelerado para manter a titularidade no time comandado pelo técnico José Antônio Guedes e contribuir, com seus poderios ofensivos, para a garantia da terceira participação brasileira no torneio olímpico, que, caso aconteça, será também a terceira das jogadoras defendendo o País, já que estiveram nos Jogos de Londres, em 2012.

“A medalha no Rio de Janeiro foi a coisa mais emocionante que vivi em toda a minha vida. Tenho a esperança no trabalho que estamos fazendo para esse Parapan, para conseguir essa vaga tão difícil nas Paralimpíadas. Podemos, sem dúvidas, buscar outra medalha em Tóquio sim”, disse a goianiense Adria, atacante da Adap, time goiano de vôlei sentado, que teve a perna esquerda amputada após um acidente quando tinha 16 anos.

“Após meu acidente e a vinda para o vôlei sentado, tudo foi muito novo na minha vida. Eu não era atleta, era uma pessoal normal, que trabalhava, estudava. Logo me convocaram e eu precisei entender as viagens, o mundo, o que era estar representando o País. Não nasci atleta, mas me tornei uma, consciente das responsabilidades e muito feliz por participar desta história da primeira medalha olímpica do esporte. Ficamos para a história”, relembrou Jani, que também perdeu a perna esquerda, mas em um acidente de moto em 2006, em sua cidade natal, Alvorada do Norte, no nordeste do estado.

Aliando a carreira de jogadora com o trabalho de atendente de call center, Adria fala, com orgulho, sobre a história que escreveu no esporte e que já dura 13 anos. “Eu sou superação total. Comecei do zero, sem saber fazer um toque, uma manchete. Fico muito feliz quando me usam como exemplo de conquistas”. A rotina de treinos pesados, academia e alimentação balanceada é vista como necessária para seguir jogando em alto nível, segundo a atacante. “Me cobro muito. Trabalho meu lado emocional também. Se não estiver bem em todas as áreas, não rende bem em quadra. Quero chegar bem em 2020, com 36 de idade, mas gás de 20”, disse ela, sorrindo.

“A oportunidade que temos aqui é um privilégio. Tento aproveitar ao máximo essa nova vida como atleta”, ressaltou Jani, que trabalha como fisioterapeuta e que também enxerga na preparação física e psicológica o melhor caminho para o êxito nas competições.

Fonte: O Popular

Mineração e usinas ameaçam Chapada dos Veadeiros



O governador Ronaldo Caiado (DEM) deve se preocupar, particularmente, com esta declaração do ministro, "toma que o filho é teu". Caiado corre seríssimos riscos de ver sua imagem manchada por interesses de grandes grupos econômicos que querem instalar pequenas usinas hidreléticas (PCH´s) e explorar minérios na região da Chapada dos Vereadores.

Um deles lhe é familiar: trata-se do grupo Rialma, criado por um tio do governador, o ex-deputado federal e ex-senador Emival Ramos Caiado. O Rialma hoje é gerido por Emival Ramos Caiado Filho.

Na sua página na internet, a empresa se define como "um grupo privado que atua nos segmentos de energia, agropecuária e mineração".O que chama atenção é que a Rialma, desde o ano 2000 tem projetos de mineração e também para instalar sete PCH´s na Chapara dos Veadeiros.De acordo com a Agência Nacional de Mineração, há  sete pedidos de pesquisa para mineração de fosfato ativos da Rialma Fertilizantes Indústria e Comércio S/A em Nova Roma. Juntos, somam uma área superior a 13 mil hectares, segundo dados da Agência Nacional de Mineração.

Os projetos para as hidrelétricas somam juntas R$ 1 bilhão, sendo que uma delas, a PCH Santa Mônica, seria instalada no Rio das Almas, em território do Kalunga,  e outras seis no Tocantinzinho, que ameaçam destruir áreas de preservação e turismo locais.

O Ministério Público instalou procedimento contra o projeto no território Kalunga.  através da Procuradora da República do Distrito Federal,  Luciana Loureiro Oliveira, e da promotora de Justiça de Luziânia, Úrsula Catarina F. Silva Pinto:

"O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado de Goiás requerem, em antecipação de tutela, a ser deferida com fundamento no art. 12 da Lei nº 7.347/85 c/c arts. 273 e 461, § 3º, do CPC, que esse Juízo suspenda o processo de licenciamento referente as obras da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Santa Mônica, de responsabilidade da SEMARH/GO e da empresa RIALMA S/A. referente as obras da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Santa Mônica, de responsabilidade da SEMARH/GO e da empresa RIALMA S/A".

Fonte: Diário de Goiás

Cleusa Cruz promete festa em Formosa/GO para comemorar divórcio que conseguiu após post ameaçando se mudar 'de mala e cuia' para casa do ex



A cabeleireira Cleusa Cruz, prometeu dar uma festa quando voltar para a cidade em que mora, Formosa, no Entorno do Distrito Federal, agora que conseguiu se divorciar do ex-marido, depois de 25 anos separados.

A história dela viralizou na web quando ela fez um post “ameaçando” se mudar “de mala e cuia” para a casa do ex, caso ele não assinasse os papéis.

“Estou solteirinha. Só ainda não estou na pista, mas estou solteira. Beijos, fiquem com Deus. Obrigada!”

Cleusa conta que tentou por três vezes o divórcio, tendo organizado tudo para conseguir se separar oficialmente do ex, mas que nunca conseguia que ele fosse assinar os papéis. Na terceira tentativa, quando ficou esperando ele no cartório e ele não apareceu, ela voltou para casa e publicou um texto nas redes sociais desabafando.

“Me aguarde, bofe. Dia 19 de maio tô chegando de mala e cuia”, dizia ela ao fim da publicação feita no último dia 8 de maio.

Neste post ela teve 443 mil comentários e 128 mil compartilhamentos. Depois ela chegou a publicar dois vídeos comentando a situação e respondendo perguntas de internautas. Em um deles ela comenta que não esperava que o caso tivesse a repercussão que teve.

“Não pensei que ia chegar a esse ponto. Só um momento de muita raiva mesmo. Três vezes tentando conseguir essa assinatura e ele se fazendo de difícil. [...]Naquele momento que eu decidi fazer esse post foi quando tinha acabado de chegar do cartório. [...]Eu preparei tudo, peguei via atualizada [dos documentos], fui ao cartório, esperei e ele não apareceu. Fiquei ali chorando, as pessoas olhando para mim”, disse na gravação.

Além dos comentários de apoio, muitas pessoas criaram imagens da cabeleireira chegando de mala e cuia na casa do ex. Como ela marcou uma data para chegar à casa dele, várias pessoas contaram que iriam acompanhá-la e dar força.

Diante de um boato de que eles já haviam se divorciado, ela publicou novamente nas redes sociais, no dia 11 de maio, dizendo: “Ele não assinou. Impossível. Estou em Goiás e ele no Rio”.

Até famosos entraram na “campanha” de Cleusa pelo divórcio. O cantor Leonardo publicou uma foto dele com a cabeleireira apoiando-a na sua saga.

“Olha quem veio no meu show de mala e cuia! #Cleusa! Você é sensacional! Rumo ao divórcio Juntos e Shallow Now”.



Fonte: G1

Extinção de 57 cursos da UEG é revista



O Conselho Superior Universitário (CsU) da Universidade Estadual de Goiás (UEG) rejeitou na última semana o relatório final exposto pela Comissão de Redesenho da instituição que apontava a discussão sobre a extinção de 57 cursos e 15 Câmpus.

A forma que foi feita a comissão responsável pelo estudo técnico que culminou no relatório se tornou a principal crítica do CsU e levou à desaprovação do relatório. Isso porque o grupo formado administrativamente possuía apenas gestores da universidade e o conselho entendeu que pela complexidade do assunto seria necessária a inclusão de toda a comunidade acadêmica.

Assim, a decisão foi que não se excluísse o redesenho da universidade, mas que se utilizasse o relatório feito como base para um novo estudo, mais amplo, com a participação de professores, servidores e mesmo alunos.

O grupo inicial foi formado no final de janeiro, em uma reunião administrativa convocada pelo então reitor Haroldo Reimer e com a presença de Diretores de Câmpus, os Pró-Reitores, os Gerentes e os Coordenadores Gerais da Administração Central. A proposta era atender a uma demanda técnica antiga a UEG de redesenhar o tamanho da universidade quanto aos cursos e as unidades acadêmicas.

Após a desaprovação, o CsU, agora já presidido pelo novo reitor, Ivano Alessandro Devilla, designou uma comissão central para “definição de critérios de reestruturação da UEG e para elaboração de uma proposta de metodologia, aplicação e cronograma para a execução do trabalho de reestruturação da instituição”, de acordo com a portaria aprovada e emitida após a reunião. A definição confirma que o novo projeto tem como base “os documentos e da Comissão para Sistematização do Redesenho Institucional da UEG” e também prevê que a comissão central possa consultar “os respectivos recursos e decisões, além das propostas encaminhadas na 111ª sessão plenária do CsU e demais estudos já realizados sobre esse tema”.

Com a portaria, a partir de então, a comunidade acadêmica passa a ficar apta a enviar sugestões de critérios a serem utilizados pela comissão até o dia 10 de junho. Os encaminhamentos devem ser feitos à unidade administrativa da Assessoria dos Órgãos Colegiados no Sistema Eletrônico de Informações (SEI). A ideia é que se tenha uma série de ideias sobre quais critérios devem ser utilizados para o redesenho de cursos e das unidades administrativas. Com base nisso e nos demais documentos, a comissão central terá até o dia 24 de junho para formalizar quais os critérios serão os utilizados.

No relatório apresentado no início deste mês, com relação aos cursos, a comissão tinha seis critérios para a avaliação. Destes, apenas metade foram utilizados, já que não foi dado ao grupo a força de modificar ou estabelecer novos pontos, mas poderiam verificar quais estariam aptos a serem utilizados.

No caso, ficaram de fora os critérios sobre a possibilidade da oferta do curso via Educação a Distância (EaD), a suspensão do vestibular para os cursos sem servidores em quantidade suficiente e também a abertura ou suspensão daqueles que necessitam de aumento de despesa. Assim mesmo, o relatório apontou para a discussão sobre a situação de 30 cursos (ver quadro).

No caso da avaliação sobre a permanência ou extinção dos Câmpus, foram elencados nove critérios e apenas cinco foram utilizados. Um dos excluídos foi o sombreamento, que se refere ao caso de unidades que atendem regiões que já possuem outro Câmpus, já que a comissão entendeu que isso deveria ser aplicado apenas para a análise dos cursos, pois a estrutura em si poderia ser utilizada de outra maneira. Também foram deixados de fora os critérios que pediam a junção de Câmpus localizados numa mesma cidade ou próximos.


Fonte: O Popular

MP exige regularização de funcionamento de duas escolas em Formosa/GO



O Ministério Público de Goiás propôs ação civil pública contra o Colégio Majoritário Educacional de Formosa e a Escola Adventista de Formosa visando obrigá-las a fazerem seu cadastramento no Conselho Municipal de Educação para concessão dos autos autorizativos até o final deste ano, sob pena de suspensão de atividades letivas do ano de 2020 e multa no valor de R$ 100 mil.

O MP também pede que as unidades escolares não divulguem, ofereçam ou matriculem alunos, nem deem continuidade às atividades de ensino relacionadas à educação básica na educação infantil nas 1ª e 2ª fases, até que o ato autorizativo seja baixado. O Colégio Majoritário está irregular desde 2012 e a Escola Adventista desde 2013.

Colégio Majoritário

A equipe da 4ª Promotoria de Justiça de Formosa, responsável pela propositura das ações, esclarece que, no caso do Colégio Majoritário Educacional de Formosa, foi firmado termo de ajustamento de conduta, em 2018, para a adequação da escola à legislação, com prazo de 60 dias, também para apresentação ao Conselho Municipal de Educação dos alvarás de licença sanitária e para funcionamento e localização, Certificado de Conformidade do Corpo de Bombeiros, para obtenção do credenciamento e autorização de funcionamento, sob pena de multa diária de R$ 500,00 e suspensão das atividades letivas de 2018.

Terminado o prazo, o conselho informou o MP que a escola apenas havia protocolado o regime escolar referente à 2017, sem apresentar as demais documentos.

O colégio pediu ampliação do prazo, o que foi negado pelo MP. Visando resguardar os direitos das crianças e adolescentes e, considerando que estava no meio do semestre letivo, o acordo foi executado apenas na parte da multa. No início deste ano, o conselho informou ter indeferido a aprovação do calendário escolar 2019 da educação infantil nas 1ª e 2ª fases, o que motivou a propositura da ação.

Escola Adventista

Consta do processo aberto contra a Escola Adventista de Formosa que, em 2017, o Conselho Municipal de Educação comunicou que a unidade estava funcionando irregularmente, desde 2013, uma vez que seu ato autorizativo estava vencido.

O MP, então, requisitou informações à direção da escola sobre a renovação da autorização e reconhecimento da educação infantil, tendo como resposta que o estabelecimento aguardava laudo do Corpo de Bombeiros para a providência.

Em 2018, o Corpo de Bombeiros informou que a escola tinha obtido um Certificado de Conformidade provisório, tendo em vista a obstrução do local destinado ao portão de passagem de viaturas, o que impede a emissão do documento definitivo.

Ainda no ano passado, o MP pediu que a escola atualizasse as informações sobre sua regularização, tendo tido como resposta que a escola aguardava a liberação para imunidade dos impostos, o que impedia a emissão de alguns documentos.

Por fim, em janeiro deste ano, o Conselho Municipal de Educação comunicou o indeferimento da aprovação do calendário escolar de 2019, não restando ao MP outra alternativa a não ser a judicialização da questão.

Fonte: MPGO

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Unidade do Vapt Vupt de Campos Belos/GO será reaberto no mês de junho




A unidade do Vapt Vupt de Campos Belos, no nordeste goiano, será reaberto no mês de junho, segundo a superintendência do Vapt Vupt, após uma reunião com o prefeito Eduardo Terra.

O prefeito Eduardo Terra já havia se reunido com o vice-governador para conversar sobre a reabertura do Vapt Vupt.

O Vapt Vupt foi inaugurado em dezembro de 2018, e passará por readequação do ambiente, com melhorias, e após, será reaberto.

A Unidade de Campos Belos atenderá também os seguintes municípios da região: Monte Alegre de Goiás, Teresina de Goiás, Cavalcante, Alto Paraíso, São João D’Aliança, Divinópolis e São Domingos.

A expectativa é de cerca de dez mil atendimentos por mês.

Promotoria de Cavalcante/GO integra Semana de Combate ao Abuso Sexual Infantojuvenil




O Ministério Público de Goiás integrou ativamente a Semana em Comemoração ao Dia 18 de Maio em Cavalcante e Teresina de Goiás.

A data celebra o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Durante a programação de atividades, a promotora Úrsula Catarina Fernandes Silva Pinto, titular da Promotoria de Justiça de Cavalcante, proferiu palestras na Escola Estadual Elias Jorge Cheim e Colégio Tia Cici (ambos em Cavalcante) e na Academia de Saúde de Teresina de Goiás.





Fonte: MPGO

Instituto tem 41 vagas de emprego com salários de até R$ 8,2 mil em Goiânia



O Instituto de Gestão e Humanização (IGH) está com processo seletivo aberto para preencher 41 vagas em três hospitais geridos pela Organização Social.

Até quarta-feira (22), os interessados nas oportunidades para analistas, assistentes, enfermeiros, médicos e nutrólogos devem fazer inscrição pelo site da OS. Os salários variam entre R$ 1.501,54 e R$ 8.211,82.

As vagas disponíveis são para os seguintes locais:

Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI)
Hospital Estadual e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (HEMNSL)
Hospital Estadual de Urgências de Aparecida de Goiânia Dr. Cairo Louzada (Huapa)

As contratações são para celetistas e formação de cadastro de reservas do Instituto. As cargas horárias de cada vaga variam entre 18 e 44 horas semanais. Há oportunidades para pessoas com deficiência.

Veja os cargos disponíveis

Analista Fiscal;
Assistente Administrativo para o setor de Custos;
Auxiliar Administrativo;
Enfermeiro(a) para atuar em Núcleo de Segurança do Paciente;
Médico Infectologista
Nutrólogo.

Vagas de emprego no IGH

Inscrições: Site do Instituto
Data: entre segunda (20) e quarta-feira (22)
Outras informações: (62) 3956-3972 ou 9 8226-0023

Fonte: G1

domingo, 19 de maio de 2019

IF Goiano e UEG de Campos Belos/GO realizam o IV Seminário sobre Identidade, Didática e Mediações Pedagógicas na Formação de Professores – 20,21 e 22 de maio




O IV Seminário sobre Identidade, Didática e Mediações Pedagógicas na Formação de Professores, evento organizado pelos campi da Universidade Estadual de Goiás e IF Goiano na cidade de Campos Belos, traz como tema neste ano a "Formação de professores e docência: questões, impasses e reviravoltas".

O contexto educacional atual apresenta características peculiares do qual emergem novas questões, alguns impasses e possíveis reviravoltas que, por sua vez, influenciam na atuação e, consequentemente, na formação de professores.

O notório saber, as propostas curriculares da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), as avaliações externas, a valorização da educação a distância em detrimento à educação presencial, projetos como o Escola Sem Partido, Educação Domiciliar, uma possível reforma da Previdência Social que influencia a aposentadoria do professor, além de movimentos que negam os fatos históricos e defendem abertamente posturas conservadoras, são questões que impactam diretamente formação e atuação docente.

Além disso, no contexto social há novamente a recorrência de discurso que conclama a intervenção/ditadura militar como possível solução para os problemas sociais, econômicos e políticos. Esse ideário recai sobre a educação por meio daqueles que, em nome da ordem e da disciplina, defendem a militarização das escolas públicas como meio de alcançar melhores rendimentos escolares e combater a violência nos contextos escolares.

A forma como esses eventos nos provocam e espantam, apontam para uma crise democrática e nos impulsionam ao enfrentamento, à necessidade de luta por nenhum direito a menos, pela garantia dos direitos sociais e políticos historicamente conquistados. Tal contexto apresenta-se como desafio para a formação e a atuação docente nos dias atuais.

Como estamos pensando e fazendo a formação de professores tendo em vista todos esses elementos impregnados em uma sociedade marcada pelo uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação e pela veiculação rápida, mas comumente insipiente de informações, direcionarão nossas discussões no IV Seminário sobre Identidade, Didática e Mediações Pedagógicas na Formação de Professores, que seguirá essas linhas gerais, pensando no professor não como um ser de identidade fixa, mas como um ser que é afetado por todas essas relações.

As palestras e oficinas serão conduzidas pelos professores da UEG - Câmpus Campos Belos, e por professores convidados, dentre eles os professores Fabiano Arantes (IF Goiano - Campus Campos Belos), Sônia Neiva (UFT), Kátia Curado (UnB) e muitos outros.

Fonte: UEG – Câmpus Campos Belos

Governador Ronaldo Caiado afirma que não existe ação do governo para fechar cursos da UEG



O governador Ronaldo Caiado destacou na última sexta-feira (17), a autonomia da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e enfatizou que "não cabe Governo do Estado decidir sobre o fechamento de unidades no interior, e nem sobre a suspensão de qualquer curso ministrado pela instituição de ensino superior".

A afirmação foi feita durante mais uma participação do governador, ao vivo, no estúdio do Fala Goiás em Rede, da Rádio Brasil Central AM e RBC FM.

O governador fez questão de afirmar que não existe nenhuma ação do Governo do Estado para fechar curso algum da UEG. “Até porque não tenho esse poder, pois o curso deve cumprir o que determina o Ministério da Educação”, ressaltou.

Caiado lembrou que a Universidade é patrimônio de seus professores e alunos, e que a instituição “tem total autonomia de gestão”.

O Instituto Federal Goiano – Câmpus Posse/GO esclarece a toda comunidade o corte anunciado pelo MEC e os seus impactos na região




O desembolso da programação orçamentária e financeira do Poder Executivo Federal para o exercício de 2019, instituído através do Decreto nº 9.741, de 28 de março de 2019, seguido do remanejamento dos limites do MEC, Portaria nº 144, de 2 de maio de 2019, culminou em contingenciamento de 39% dos recursos de custeio e de investimento do Instituto Federal Goiano - Campus Posse.

Em nota oficial divulgada no dia 08 de maio de 2019, o Ministério de Educação, explicou que o bloqueio total das Instituições de Ensino Superior foi de 3,4%. O ministro Abraham Weintraub, complementou de diferentes modos que o contingenciamento do orçamento foi de 3,4% a 3,5%, pois para esse cálculo foram considerados as despesas obrigatórias — pagamento de salários dos servidores e benefícios para inativos e pensionistas — asseguradas pelas classes de servidores e protegidas por lei.

Assim, desconsiderando as despesas obrigatórias e o orçamento específico para assistência ao aluno, o bloqueio de aproximadamente R$ 900 milhões representa entre 37% a 42% dos recursos de custeio previstos para o funcionamento das unidades, conforme a nota oficial do CONIF (Conselho Nacional das Instituições de Educação Profissional, Científica e Tecnológica). Em âmbito institucional, a Reitoria, sede e foro do Instituto, retém 10% do orçamento de custeio para despesas institucionais como, por exemplo, a contratação de empresa para realização de Concurso Público.

Quanto ao valor bloqueado pelo Governo Federal, o Campus Posse sofreu contingenciamento de R$ 466.195,00 (quatrocentos e sessenta e seis mil cento e noventa e cinco reais) das despesas de custeio e de R$ 47.280,00 (quarenta e sete mil duzentos e oitenta reais) das despesas de investimento, equivalente a 39,1% do orçamento.

Na Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2019 o Instituto Federal Goiano - Campus Posse tem previsto uma dotação inicial de R$ 1.190.997,00 (um milhão, cento e noventa mil, novecentos e noventa e sete reais) para despesas de Custeio, aquelas que pagam energia, telefonia, manutenção de carros, combustível, contratos de terceirizados: vigilância, limpeza e motorista. Além disso, está previsto um orçamento de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais) para as despesas de investimento, aquelas destinadas às obras de engenharia/construção e aquisição de equipamentos, por exemplo.

Destacamos, ainda, o orçamento previsto para Assistência Estudantil de R$ 278.028,00 (duzentos e setenta e oito mil e vinte e oito reais), destinado exclusivamente para os alunos na forma de uniformes, materiais esportivos, auxílio permanência e êxito, auxílio alimentação, bolsas estudantis de pesquisa e extensão.

Considerando os 39,1% bloqueados do Governo Federal do orçamento para as despesas de custeio, os 33,6% que correspondem aos compromissos financeiros executados no primeiro trimestre — R$ 399.748,39 (trezentos e noventa e nove mil setecentos e quarenta e oito reais e trinta e nove centavos) — e os 10% retido pela reitoria, o Campus terá um orçamento de R$ 205.953,61 (duzentos e cinco mil, novecentos e cinquenta e três reais e sessenta e um centavos). Esse saldo é insuficiente para manter as despesas mínimas para finalizar o ano, sendo possível conduzir as atividades até o final apenas se o orçamento bloqueado for liberado.

O Campus Posse atualmente tem cerca de 500 alunos inscritos em cursos regulares presenciais de nível técnico/médio, superior e pós-graduação, oriundos de diversos municípios do Nordeste Goiano e do Oeste Baiano. Para o segundo semestre do ano corrente, o Campus tem previsto ingresso de mais 80 alunos, além das ofertas de cursos de formação inicial e continuada (FIC) ou dos cursos à distância, que estão sendo elaborados para oferta ainda em 2019.

Ressaltamos que o Campus Posse iniciou suas atividades em 2013 atendendo aos alunos das áreas mais interioranas com a missão de implantar um Campus com oferta de educação superior, básica e profissional, pluricurriculares para atender o Nordeste Goiano. Desde então, com o objetivo de levar uma educação de qualidade às regiões desfavorecidas, o desafio foi redobrado ao enfrentarmos os bloqueios subsequentes. Para o ano corrente, a continuidade dos serviços prestados à comunidade da região será afetada pelo bloqueio significativo, o que inviabiliza o andamento regular das ações planejadas.

Até o ano de 2018, o crescimento do número da oferta de vagas ficou restrito devido ao campus ainda estar em uma instalação adaptada com pouco espaço. Ainda nas instalações temporárias, o campus realizava um trabalho de redução de gastos para poder cumprir com os compromissos da melhor forma possível. Em agosto de 2018, foi possível fazer a transferência para a sede definitiva e realizar a abertura de novas turmas e cursos.

Agora, numa instalação maior e mais adequada, deparamo-nos com o desafio de fazê-la funcionar com o mesmo recurso financeiro dos anos anteriores. Após planejar o ano de 2019 com a LOA definida, foi possível adequar os gastos, mesmo que minimamente, para o ano em questão. Porém, o corte anunciado sem aviso prévio, conforme será demonstrado no quadro abaixo, torna ainda mais complexos o planejamento e a realização das atividades do campus.

Por outro lado, mesmo diante dos muitos desafios enfrentados desde o início de sua implantação, a instituição apresentou crescimento considerável e impactante para a região nos últimos anos. Dois novos cursos superiores foram abertos, Agronomia e Administração; assim como também o ingresso na primeira turma em 2019 para o Curso Técnico em Informática para internet integrado ao ensino médio ter sido bastante disputado. Duas pós graduações lato sensu foram ofertadas: Especialização em Ensino de Humanidades (1ª turma formada) e Especialização em Sistemas Integrados de Produção Agropecuária. Além dos cursos técnicos em Agropecuária, Administração e Informática, regularmente ofertados com ingresso semestral, este ano a instituição ampliou a oferta de bolsas de iniciação científica de nível médio e de nível superior, além do número recorde em bolsas de extensão. Até o primeiro trimestre, quase 50 (cinquenta) bolsas de pesquisas e extensão foram ofertadas aos discentes vinculados a algum projeto aprovado por edital.

Frente ao corte generalizado, sem mapeamento ou estudo dos impactos às regiões menos favorecidas, esclarecemos que a reação da comunidade de alunos, professores e técnicos administrativos é favorável a aderir à Manifestação Nacional em Prol da Educação que ocorrerá amanhã, 15 de maio, para lutar por melhores condições de trabalho. Salienta-se que o Estado brasileiro enxerga os servidores públicos como trabalhadores e cidadãos que têm o direito de lutar por melhores condições de trabalho.

Vamos manter os nossos compromissos com a comunidade, com os serviços, mas de maneira limitada, vamos economizar como sempre tivemos feito, mas de maneira mais significativa. É importante citar que se o cenário permanecer com o corte podemos viver momentos ruins e a comunidade precisa entender o porquê disso. Nós, enquanto gestão, enquanto servidores, vamos tentar manter ao máximo todos os compromissos com o Ensino, com a Pesquisa e com a Extensão, bem como as ações de assistência ao aluno, principalmente dos mais desfavorecidos.

Por fim, informamos que toda a gestão do IF Goiano, Reitor, Pró-Reitores, Diretores juntamente com o CONIF e as lideranças políticas, vêm buscando apoio para reverter tal contingenciamento. Contamos com o apoio de toda comunidade do Nordeste Goiano.

Fonte: IF Goiano - Posse

Em nota, UEG informa que venceu a batalha e Câmpus de Campos Belos/GO não vai mais fechar



Venho esclarecer que após realização da 111ª Sessão Plenária do CsU - Conselho Universitário da UEG, realizado no dia 16 de maio de 2019, e envidados esforços de conselheiros dos vários segmentos do referido colegiado ficou assim encaminhado o formato de reestruturação da Instituição:

a) a proposta de “redesenho” pautada no Relatório da Comissão Especial de Redesenho, Processo nº 201900020007681, que previa a rediscussão para possível fechamento de 15 Câmpus, inclusive o de Campos Belos e de 57 cursos, foi retirada de pauta.

b) a proposta alternativa inserida pelos conselheiros de Campos Belos e assinada por vários outros diretores da UEG foi acatada e encaminhada, com o estabelecimento de prazos para realização de uma reestruturação que abarque os aspectos quantitativos e qualitativos e a relevância social da Universidade, dessa forma contemplando outros critérios como: i) visitas in loco em cada câmpus para conhecer sua realidade; ii) análise de projetos de extensão, pesquisa e outros; e iii) audiências públicas nas regiões de Goiás a fim de prover a escuta da população de forma democrática e participativa, conforme Processo nº 201900020008239.

Dito isto, informo a todos que a UEG de Campos Belos venceu uma batalha e conquistou uma nova chance de provar a necessidade de um Câmpus nesta parte do Nordeste Goiano. Para além disso, nosso Câmpus conseguiu sensibilizar a todos os conselheiros da importância de um redesenho da Universidade ocorrer de forma planejada e estruturada.

Continuamos a contar com o apoio de toda a sociedade a das autoridades, não somente para a permanência de nossa UEG na região, contudo também para o fortalecimento e ampliação do Câmpus e seus projetos.

Campos Belos, Goiás, 17 de maio de 2019.

Adelino Soares Santos Machado
Diretor

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Homem é baleado em Campos Belos/GO, com diversos tiros



Um homem de 27 anos foi baleado, com diversos tiros, em Campos Belos, nordeste do estado.

A tentativa de assassinato ocorreu na quarta-feira (15), por volta de meia noite e meia, no setor Bem Bom.

De acordo com informações da Polícia Militar, a corporação foi avisada de que disparos de arma de fogo tinham sido efetuados na rua D, do Setor Bem Bom.

Após a informação, militares se deslocaram até o local, onde depararam-se com a vítima baleada dentro da residência, deitada no chão.

O SAMU foi acionado e o rapaz socorrido para UPA de Campos Belos.

Segundo relatos da vítima, ela estava deitada no sofá, jogando no celular, quando foi surpreendida pelo autor da tentativa de homicídio, que arrobou a porta e entrou na casa fazendo vários disparos em sua direção.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, a mulher da vítima estava deitada no quarto, quando acordou com os disparos dos tiros e ao sair do quarto encontrou seu companheiro baleado no chão.

A mulher não soube qual o destino da fuga do autor dos disparos.

Ainda segundo a PM, ao se fazer consulta no portal da Segurança Pública de Goiás, identificou-se que a vítima já possui passagem por trafico de droga e outras ações criminosa.

A Polícia Civil de Campos Belos investiga o caso.

Fonte: Dinomar Miranda