domingo, 1 de setembro de 2019

Desgaste de prefeito gera inflação de candidatos na cidade de Posse/GO



A disputa pela “posse” da Prefeitura de Posse, espécie de capital do Nordeste goiano, está acirrada. Brincando, um deputado estadual afirma que lá tem mais candidato a prefeito do que a vereador. Brincadeira à parte, há quem diga que o deputado estadual Paulo Trabalho quer derrotar o candidato que for apoiado pelo deputado Iso Moreira. Os dois se detestam. Mas um deputado garante que, ao menos nesta cidade, Paulo Trabalho — cuja sigla é PT — tem mais presença eleitoral do que Moreira.

Paulo Trabalho vai bancar seu cunhado Demétrio — que alguns já chamam de Demétrio Trabalho — para prefeito de Posse. Ele é forte por causa do deputado. Mas é escassamente conhecido na cidade, pois não tem participação política.

O deputado federal José Nelto vai bancar Márcio Passos, do Podemos. Há quem aposte que, se conseguir unir a base caiadista na cidade, Márcio Passos tem chance de ser eleito. Mas unir a base governista não será fácil. Porque há conflitos históricos na base. Um aliado de Nelto frisa que o Podemos está com a chapa de candidatos a vereador praticamente pronta. São 14 homens e seis mulheres. O Podemos quer unir-se ao PSL, ao DEM e a outros partidos — menos com o PSDB.

Até crianças de 2 anos sabem que o prefeito Wilton Barbosa (PSDB) planeja disputar a reeleição — com o apoio do primo e ex-governador José Eliton (PSDB), que deve ser o coordenador de sua campanha. A oposição, debochando de seu desgaste administrativo e político, o chama de Wilton Rebordosa. Mas, como se sabe, a máquina pública sempre tem peso nas eleições interioranas. O prefeito confia nisto. Mas o eleitorado parece mesmo disposto a trocá-lo.

Ivon Valente, dono de uma rádio na cidade, deve ser candidato. Ele é filiado ao DEM, mas é próximo do PT (que deve apoiá-lo). O DEM pode puxar seu tapete, por considerá-lo petista, e bancar a professora Gilvanice Pereira Costa. O médico João Adriano tende a ser candidato pelo PSOL ou pelo PRB.

O produtor rural Valdir Baron deve trocar, para disputar a prefeitura, o PSDB pelo Solidariedade. A aposta do PDT é Solange Valente, mulher do vice-prefeito Domingos José Minguito Valente Neto — que está rompido com o prefeito.

Dos nomes citados alguns podem desistir, optando por compor com postulantes eleitoral e financeiramente mais sólidos. A tendência é que aqueles partidos que conseguirem montar chapa para vereador mais fortes lancem candidatos. Saíram na frente o Podemos, o PSL e o PSDB.

Fonte: Jornal Opção

Nenhum comentário:

Postar um comentário