terça-feira, 7 de abril de 2020

Petição solicita ao governador Ronaldo Caiado que instale um hospital de campanha na Chapada dos Veadeiros



Petição solicita ao governador Ronaldo Caiado a instalação de um Hospital de Campanha na região da Chapada dos Veadeiros, no nordeste goiano.

A região da Chapada dos Veadeiros é composta pelos municípios de Alto Paraíso de Goiás, Campos Belos, Cavalcante, Colinas do Sul, Monte Alegre, Nova Roma, Teresina de Goiás e São João D’Aliança.

A indicação para implantação do hospital de campanha é na cidade de Alto Paraíso de Goiás, considerando a localização geográfica estratégica.

Há uma situação de precariedade extrema em relação a mão de obra, testes e equipamentos de proteção individual. O rápido alastramento da pandemia e a falta de recursos compromete a capacidade de atendimento dos profissionais da saúde e reduz o contingente das equipes que estão na linha de frente do combate, pela exposição ao coronavírus.

O número de 23 leitos para toda a região, considerando a população de 70.000 habitantes e a distância entre os municípios é insustentável em situações normais, indicando o risco de colapso na iminência de um aumento da demanda.

O número de respiradores é insignificante e não existem equipes capacitadas para operá-los. O número de ambulâncias é reduzido e sem recursos para o atendimento de pacientes em estado grave.

Governo oficia deputado Major Araújo para apresentar proposta de máscaras mais baratas



Alvo de críticas nas redes sociais pela compra de máscaras no valor de R$ 16, o governo estadual, por meio da Secretaria de Saúde (SES), enviou ofício ao deputado estadual Major Araújo (PSL) estabelecendo prazo de 12 horas para que ele apresente proposta de preços mais baixos, como postou em seus perfis. O parlamentar acusou o governo de ter aproveitado a dispensa de licitação permitida pela pandemia do coronavírus para adquirir o produto por valores mais altos e citou um site com oferta da máscara a R$ 3,33.

A SES afirma que houve grande aumento do produto nos últimos dias e que a dispensa de licitação seguiu todos os trâmites legais. Afirma ainda que a empresa citada (Super EPI) pelo parlamentar foi procurada pelo Estado e informou que "o produto não está disponível há mais de duas semanas, sem previsão de chegada" e que não trabalha com a alta quantidade da aquisição (78 mil no caso da compra de Goiás).

"Contudo, dada a absoluta seridade com que se deve receber a manifestação de um deputado estadual acerca de assuntos tão relevantes quanto o gasto de dinheiro público, informo que essa Secretaria, ante a relevante diferença de preços apontada, está disposta a converter o processo de compra em diligência para que o Estado possa considerar a proposta formal do estabelecimento comercial indicado por Vossa Excelência", diz.

O ofício, assinado pela chefe de Gabinete da SES, Marielli Vieira Ribeiro, diz que o curto prazo (12 horas) dado ao deputado se justifica porque "a demora pode prejudicar inúmeros profissionais da área da saúde que dependem desse equipamento para fins de combater a propagação do Covid-19".

O deputado afirmou ao blog que, no seu papel de fiscalizar o Executivo, denunciou ao governo que o preço está abusivo. "O governador (Ronaldo Caiado) gravou vídeos nas redes sociais dizendo que não ia aceitar preço abusivo de álcool em gel e recomendando às pessoas que denunciassem. Ameaçou até prender. Agora faz compra de máscaras que valem 3 reais por 16 alegando falta no mercado? Ele tem de tomar providência enérgica. O Estado tem poder de polícia, tem de denunciar essa empresa que cobra 16. É um preço fora da realidade."

O parlamentar disse que não dará resposta ao ofício e que quem tem de dar explicações é a SES.

Diante da polêmica, a Secretaria de Saúde informou que buscou a cotação das máscaras (95) com mais de 35 fornecedores, mas apenas 2 manifestaram disponibilidade do produto e apresentaram preços. A pasta também encaminhou um relatório com informações de preços de compras do mesmo produto por outras instituições, públicas e privadas do País, com variação de R$ 18 a R$ 78,65 a unidade. A Universidade Federal de Goiás (UFG), segundo o documento, adquiriu a máscara por R$ 32. O preço médio considerando as 14 instituições é de R$ 35,06.

Diante dos últimos questionamentos feitos a compras emergenciais, o governo lançou painéis no Portal da Transparência do Estado ( www.transparencia.go.gov.br ) com dados sobre os gastos.

Fonte: O Popular

Corpo é encontrado às margens de rio em São João D'Aliança/GO



No último sábado (4), policiais militares foram até uma região de mata nas proximidades do município de São João D'Aliança, no nordeste goiano, em atendimento a uma ocorrência de encontro de cadáver.

No local, a equipe fez contato com o solicitante, o qual relatou que estava banhando em um riacho juntamente com os seus filhos, quando estranhou de um forte odor.

Ao averiguar pelas proximidades, encontrou um corpo em avançado estado de decomposição às margens do riacho. O fato foi repassado à autoridade policial de plantão para as medidas cabíveis.

Devido ao estado do corpo, não foi possível identificá-lo. Pelas características que foi encontrado, suspeita-se de afogamento, no entanto, a causa da morte e a identidade só serão atestados após laudo pericial.

Fonte: Foca Lá

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Em Posse/GO bancos tem filas com aglomerações




Apesar das recomendações de especialistas e do Governo de Goiás para conter o avanço da pandemia de coronavírus no estado de Goiás, várias pessoas têm se aglomerado em bancos em busca de atendimento.

Em Posse, no nordeste goiano, nesta segunda-feira (6) foi possível observar longas filas e clientes próximos uns dos outros.

A orientação é evitar aglomeração e manter a distância mínima de um metro e meio em filas.

Grande parte do comércio também estão com as portas abertas na cidade. As autoridades devem ficar em alerta e orientar os moradores e comerciantes.

Posse não tem nenhum caso de coronavírus, mas as medidas preventivas têm que ser intensificadas para evitar que o vírus se propague na região.

O estado de Goiás chegou a 115 casos de coronavírus confirmados até o início da tarde de domingo (5), segundo a Secretaria Estadual da Saúde. De acordo com o boletim, três óbitos foram confirmados e 2.138 casos ainda estão sendo investigados.


Motociclista morre em grave acidente na BR-020



Francisco Lopes dos Santos, de 37 anos, que conduzia uma motocicleta, morreu em um grave acidente na noite de sexta-feira (3), por volta das 20h, na BR-020, nas proximidades do Distrito do Bezerra, em Formosa.

Segundo informações de testemunhas, Francisco foi atingido frontalmente por um caminhão, que teria desviado de um outro veículo.

Francisco, que trabalhava como açougueiro e morava no Distrito do Bezerra, não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O IML e a perícia compareceram ao local e realizaram os procedimentos de praxe.

Fonte: Ocorrências Policiais

Caminhão roubado na BR-020 é recuperado pela Polícia Militar em Formosa/GO



Um homem de 57 anos, que teve o seu caminhão levado por bandidos durante um assalto no mês de julho de 2019, na BR-020, em Formosa, acionou a Polícia Militar na manhã de sexta-feira (3) e relatou que recebeu informações de que seu veículo estaria sendo carregado em uma empresa de sementes, no Bairro Formosinha.

De posse das informações, o sargento Martins e o soldado Eufrásio foram ao local indicado, após minuciosa vistoria, constataram que o caminhão que lá estava era o que havia sido roubado da vítima.

O veículo já estava com os sinais identificadores adulterados e com placas clonadas registradas em Maceió-Alagoas.

O motorista do caminhão, um homem de 38 anos, relatou que não sabia da origem ilícita do caminhão pois havia sido contratado há um mês pelo suposto proprietário para realizar o transporte de carga.

Este, por sua vez, relatou que havia adquirido o veículo de boa-fé no Estado da Bahia. Na sequência, o motorista, o comprador, o caminhão e a vítima foram encaminhados à Central de Flagrantes, para as medidas cabíveis.

Fonte: Foca Lá

domingo, 5 de abril de 2020

São Domingos/GO: Paciente tem melhora e respira sem ajuda de aparelho, está sem febre e aguarda o resultado do exame



A Secretaria Municipal de Saúde de São Domingos, no nordeste goiano, atualizou o quadro clínico do paciente que está internado no hospital com suspeita de coronavírus.

Segundo o secretário de saúde Luiz Antônio, o paciente teve melhora no quadro clínico e respira sem auxilio de aparelho, pressão arterial normal e está sem febre, considerado estável.

O secretário disse ainda que aguarda o resultado do exame que deve sair em 72hs, após o material ter sido colhido.

Um médico infectologista disse que as chances do resultado dar negativo para coronavírus é grande.

O paciente segue em isolamento por precaução.

A Secretaria de Saúde alerta que não há motivos para pânico e que todas as medidas de prevenção estão sendo tomadas.

Após publicação no Blog, irmão localiza em Posse/GO irmã que não tinha contato há mais de 20 anos



Irmão que havia perdido o contato com a irmã há mais de 20 anos consegue contato após publicação neste blog.

José Osvaldo, entrou em contato com o blog, o relato foi postado no blog, em 24hs após a publicação, ele e a irmã já haviam retomado o contato.

José Osvaldo atualmente mora no Espírito Santo, estava procurando a sua irmã “Desde 1998 que não tenho notícias dela. Ela mandou uma carta para minha mãe em 1998 desde então perdemos o contato e mudamos do local onde morávamos, a carta que ela mandou em 1998 é da cidade de Posse”.

A irmã dele, Cristiane Maria da Silva, viu a publicação no Blog e entrou em contato com José Osvaldo.

Osvaldo disse que já conversou com a irmã via ligação e por mensagem de whatsapp e agora quer reencontrar a irmã, mas ambos ainda não definiram uma data. “Que seja o quanto antes”, disse o irmão.

Um filho de Cristiane disse que a mãe está bastante ansiosa para reencontrar o irmão.

Produtores de soja comemoram colheita cheia e bons preços



A safra de soja deste ano será recorde e entre os agricultores de Goiás o clima é de otimismo com a atividade.

O trabalho nas lavouras do estado vai chegando ao fim. Algumas poucas áreas ainda têm soja para colher. Nesta safra foram plantados 3,54 milhões hectares do grão.

Por causa do excesso de chuva em novembro do ano passado, houve atraso no início do plantio da soja em Goiás, e a colheita só está terminando agora.

Mesmo assim, a produtividade foi maior. Além disso, outra boa notícia é que muitos agricultores já negociaram suas produções, aproveitando o dólar em alta.

Apesar dos bons resultados no campo, a rotina de alguns produtores teve que mudar por causa do novo coronavírus, como evitar o contato social e ir à cidade.

Autópsia em mortos por covid-19 ajuda no tratamento de casos graves da doença



Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) estão realizando, por meio de procedimentos minimamente invasivos, a autópsia de corpos de pacientes diagnosticados com covid-19 que faleceram no Hospital das Clínicas da instituição.

Um dos objetivos do trabalho é coletar e avaliar rapidamente amostras de tecidos pulmonares e de outros órgãos com o intuito de disponibilizar informações que possam ser úteis à comunidade médica do país para tratar os casos graves da doença.

“Estamos compartilhando os resultados preliminares das análises com a equipe médica do Hospital das Clínicas e de outras instituições antes mesmo de publicarmos em revistas científicas, com o objetivo de que os dados possam ajudar no tratamento dos pacientes atualmente internados”, diz à Agência FAPESP Marisa Dolhnikoff, professora da FM-USP e coordenadora do estudo que faz parte de um projeto apoiado pela FAPESP.

A ideia dos pesquisadores é correlacionar as constatações que estão obtendo com exames de imagem (tomografias) e com as observações feitas por médicos clínicos ao tratar os pacientes em estado grave.

Dessa forma será possível avaliar se um paciente que ficou mais tempo internado apresenta outras alterações no pulmão ou se as diferentes formas de ventilação mecânica às quais são submetidos em unidades de terapia intensiva (UTIs) causam alterações diferentes no órgão.

“Essa correlação representa um passo fundamental desse estudo porque podem existir diferentes perfis tomográficos, patológicos e clínicos da covid-19”, pondera Dolhnikoff.

“Quando começamos a liberar os dados, fomos imediatamente contatados por clínicos dizendo que as tomografias dos pacientes que estão analisando nos hospitais não são todas iguais. Isso levantou a questão de que pode haver mais de um padrão de comprometimento pulmonar pela doença, por exemplo”, aponta a pesquisadora.

Foram feitas, até o dia 3 de abril, seis autópsias de pacientes que morreram por covid-19, com o consentimento das famílias.

O plano é realizar, no total, entre 20 e 30 procedimentos, que são guiados por um aparelho de ultrassom portátil e utilizadas agulhas, como as usadas em biópsias em pessoas vivas, para ter acesso aos órgãos internos e coletar amostras de tecidos, sem a necessidade de abrir o corpo.

Os quatro primeiros casos analisados foram de dois homens e uma mulher, com idade acima de 60 anos e histórico de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, e de outro paciente mais jovem, também com doenças preexistentes. Em comum, a evolução da doença nos quatro casos foi muito rápida – entre quatro e 10 dias.

Os resultados preliminares das análises indicaram alterações semelhantes às descritas por grupos de pesquisadores da China em quatro artigos publicados nas últimas semanas, em que relatam os resultados de séries de autópsias de entre três e quatro pacientes diagnosticados com a doença.

“Há um interesse grande da comunidade médica brasileira nos dados que estamos produzindo porque podem dar respostas mais imediatas para perguntas como quais os impactos causados pelo vírus no pulmão”, afirma.

Lesões extensas e múltiplas

As análises feitas pelos pesquisadores da FM-USP corroboram a constatação de que a morte pela covid-19 é causada por insuficiência respiratória em função de lesões extensas e severas causadas pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2, em múltiplas áreas dos pulmões – a síndrome respiratória aguda grave ou síndrome do desconforto respiratório agudo com lesão difusa do tecido pulmonar.

A ação do vírus é predominantemente nas células epiteliais, que revestem os alvéolos pulmonares, participam do processo de troca gasosa – de gás carbônico por oxigênio – e são alteradas ao serem infectadas pelo vírus.

A perda dessas células epiteliais causa uma extensa lesão nos alvéolos pulmonares (bolsas microscópicas nas quais ocorrem as trocas gasosas), denominada dano alveolar difuso. Esse dano compromete a troca gasosa em uma área muito expressiva do pulmão, reduzindo a oxigenação dos tecidos e levando à insuficiência respiratória.

“Observamos que o vírus infecta todo o trato respiratório, mas causa maiores danos nos alvéolos pulmonares”, aponta Dolhnikoff.

Nos pacientes que desenvolvem a forma mais agressiva da doença, as lesões são muito semelhantes às que ocorrem na síndrome respiratória aguda grave (SARS) e na síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS), ambas causadas por outros tipos de coronavírus, constataram os pesquisadores.

“Analisando as tomografias percebemos que algumas regiões do pulmão são mais afetadas, como as posteriores, e que a infecção compromete, pelo menos, metade do órgão”, afirma.

Os pesquisadores também observaram, em um dos casos, pequenos focos de hemorragia na microcirculação pulmonar, associados com microtrombos.

“Esse fenômeno certamente está associado a distúrbios de coagulação já descritos em pacientes que morreram em decorrência da covid-19”, diz Dolhnikoff.

Pneumonia bacteriana

Outra pergunta que os pesquisadores querem tentar responder por meio da correlação das análises dos tecidos com os dados clínicos e de tomografias é se as pneumonias bacterianas secundárias que podem acometer os pacientes em estado grave e complicar o quadro clínico têm relação com o tempo de ventilação a que foram submetidos.

As análises dos quatro primeiros casos mostraram que dois pacientes foram acometidos por uma grave pneumonia bacteriana após a infecção viral. Essa informação foi imediatamente comunicada às equipes médicas.

“É natural que uma infecção viral desencadeie uma pneumonia bacteriana. Mas, no tratamento desses casos graves, essas infecções bacterianas precisam ser rapidamente identificadas e tratadas com antibióticos”, ressalta Dolhnikoff.

A ocorrência de duas pneumonias juntas – a viral e a bacteriana – causa sérios danos tanto locais, no pulmão, como sistêmicos, uma vez que começam a circular pelo corpo e lesar outros órgãos.

“A infecção bacteriana tem um impacto enorme na função pulmonar e repercute em outros órgãos, resultando em quadro de sepse [falência múltipla de órgãos] que culmina na morte do paciente”, explica Dolhnikoff.

Os pesquisadores não observaram, até o momento, alterações agudas causadas pelo vírus em outros órgãos. As alterações identificadas foram relacionadas à própria sepse ou às doenças preexistentes dos pacientes, como alterações crônicas renais e no coração, relacionadas a hipertensão e isquemia, e acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática) associada a diabetes e obesidade.

Mas, uma vez que dados da literatura médica sugerem que a infecção pelo novo coronavírus não se restringe ao pulmão, com evidências de que é excretado pelas fezes e urina e causa perda de olfato e do paladar, a ideia é analisar o efeito viral em outros órgãos por meio de materiais coletados do coração, rins, fígado, baço, cérebro, medula óssea, músculo esquelético, mucosa nasal e oral.

“A ideia é criar também um biorrepositório de tecidos que possam ser estudados por meio de técnicas avançadas de biologia molecular para identificar possíveis alvos terapêuticos para combater a doença”, diz Paulo Saldiva, professor da FMUSP e um dos pesquisadores participantes do projeto.

Fonte: Estadão Conteúdo

Técnica de laboratório que morreu por coronavírus participou de campanha pedindo que todos ficassem em casa



A técnica de laboratório Adelita Ribeiro da Silva, que morreu por coronavírus participou de uma campanha pedindo para que a população ficasse em casa durante a pandemia de Covid-19. O governador Ronaldo Caiado publicou neste domingo (5) em sua rede social uma homenagem à servidora da saúde, ressaltando o engajamento na ação de conscientização. Ela é a terceira paciente que morre devido à Covid-19.

Adelita aparece em uma foto ao lado de colegas de trabalho que seguram folhas com a frase: "Estamos aqui por você, fique em casa por nós".

Adelita foi internada na UTI de um hospital particular no dia 30 de março e morreu na manhã de sábado (4). Ela trabalhava no Cais Novo Mundo e no Hemolabor. A técnica de laboratório foi enterrada em Goianápolis no sábado (4). A família não pôde fazer velório e teve que acompanhar o sepultamento a 20 metros de distância. O caixão estava lacrado e não possuía vidro.

Caiado escreveu em sua rede social que Adelita tinha 38 anos, não apresentava nenhuma doença anterior e reforçou que o vírus mata independentemente da idade. Ele reforçou o pedido de que toda população fique em casa para diminuir o contágio.

“Uma heroína que perdeu a vida para salvar vidas. A luta de Adelita Ribeiro, técnica de enfermagem e laboratório, morta aos 38 anos, vítima do coronavírus, jamais será esquecida pelo Estado", escreveu o governador.

A secretária de Saúde de Goiânia, Fátima Mrué, também divulgou uma carta lamentando a morte da servidora pela Covid-19. “Demonstrando amor à profissão e ao próximo, ela serviu à sociedade ao exercer seu trabalho com dignidade e coragem. ... A ela, nos curvamos em profundo agradecimento e rogamos ao Pai que a acolha em seus braços de misericórdia e amor”, disse.

Uma colega de trabalho usou a rede social para definir Adelita: “maravilhosa, incrível, alegre e batalhadora”. Ela conta que chegou a encontrar a técnica de laboratório na UTI do hospital onde ela estava internada, que a paciente estava fraca, mas ainda mantinha o bom humor.

O Hemolabor, um dos locais onde Adelita trabalhava, também publicou mensagem lamentando a morte da funcionária. “Toda instituição está consternada e apoiando a família neste momento difícil”, afirma a nota.


Fonte: G1

Número de pessoas curadas do coronavírus passa de 200 mil no mundo



202.935: este é o número de pessoas que já se curaram no mundo em meio à pandemia do coronavírus até o fim da manhã da última quinta-feira (2), segundo dados da universidade americana Johns Hopkins. A China, país onde o vírus surgiu no fim de dezembro, é a líder em números de cura, com mais de 76 mil pessoas recuperadas. Em seguida, aparece a Espanha, com 26.743 curados.  Alemanha, com 19.175 e a Itália, com 16.847, vêm logo depois.

Esses também são alguns dos países mais afetados pela doença.

No Brasil, até o momento, 127 pessoas foram curadas, segundo o monitoramento em tempo real feito pela Johns Hopkins.

Apesar de ser o quarto país com o maior número de curados, a Itália é a líder em número de mortes, com mais de 13 mil óbitos e cerca de 110 mil casos confirmados. Os Estados Unidos é, agora, o epicentro do vírus no mundo, com 216.768 casos.

No Brasil, quase 7 mil casos foram confirmados e 241 pessoas morreram, a maioria no estado de São Paulo, segundo dados do Ministério da Saúde.

Não há um prazo estabelecido sobre quanto tempo leva para uma pessoa se recuperar da covid-19. Nos casos mais leves, autoridades têm pedido ao menos 14 dias de quarentena. A China estabeleceu outros 14 – totalizando 28 – antes de definir que um paciente estava totalmente curado.

Fonte: Abril

Registrado primeiro caso suspeito de coronavírus em São Domingos/GO; paciente está entubado e respira com auxílio de aparelho



Apesar das medidas de isolamento e restritivas adotas pelas cidades do Nordeste Goiano, devido a pandemia do coronavírus, casos suspeitos estão aparecendo, muitos já foram descartados e alguns aindam aguardam os resultados dos exames.

São Domingos, no nordeste goiano, município que ainda não havia registrado caso suspeito, está investigando o primeiro caso de coronavírus.

O suspeito está internado, entubado e respira com auxílio de aparelho, o material já foi coletado e enviado para Goiânia, a secretaria aguarda o resultado do exame.

O suspeito está em isolamento e em um quarto pré-UTI montado para atender pacientes como suspeita de coronavírus.

O blog procurou hoje pela manhã o Secretário de Saúde e o prefeito do município, mas as mensagens não foram respondidas até a publicação desta matéria.

O Governo de Goiás reforça a necessidade de manter o rigor das medidas de isolamento social e prevenção. Pede para que todos permaneçam em suas casas que é lugar mais seguro para ficar nesse momento.

Coronavírus: várias pessoas saem de Goiânia e Brasília para buscar refúgio em cidades do Nordeste Goiano



A maior concentração de casos de coronavírus no estado de Goiás está na capital Goiânia, a situação do Distrito Federal e entorno é bastante preocupante e está levando muitas pessoas a se refugiarem em cidades do nordeste goiano.

Muita gente tem chegado as cidades para cumprir a quarentena recomendada pelas autoridades, mas nem todos estão obedecendo. Há muitos relatos de pessoas que foram para cidades do nordeste goiano e que não estão cumprindo a quarentena.

Nenhuma cidade do nordeste goiano registrou caso de coronavírus e o número de suspeito ainda são pequenos, mas as medidas adotadas por prefeitos devem ser mantidas.

O governo de Goiás recomenda que fiquem em casa e evite viagens. Caso tenha viajado de uma cidade onde há casos de coronavírus para uma outra cidade, é recomendado que cumpra quarentena de no mínimo 7 dias.

Muita gente está ‘fugindo’ para o interior devido o menor risco de contágio, mas esquecem que podem estar contaminados e ser um grande risco para cidades que não tem registro do vírus.

A expectativa é que o número de pessoas que vão para as cidades do nordeste goiano aumente devido o feriado da semana santa.

Ficar em casa é a melhor medida de proteção e de extrema importância para contenção da epidemia. Faça sua parte e contribua para o bem de todos.

Corpo de Bombeiros é acionado para retirar enxame de abelha de casa em Simolândia/GO



O Corpo de Bombeiros de Posse foi acionado na tarde da última quinta-feira 02/04, para capturar um enxame de abelhas africanizadas no município de Simolândia, no nordeste goiano.

Segundo a corporação, o enxame estava colocando em risco a vida dos moradores e vizinhos das proximidades.

Logo após o resgate, a colmeia foi encaminhada para o seu habitat natural.

Com informações do Corpo de Bombeiros

"Saberemos sair da crise”, garante o governador Ronaldo Caiado



“A economia, desde que a gente tenha a condição da vida, nós a recuperaremos.” Foi dessa forma que o governador Ronaldo Caiado voltou a defender o isolamento social como forma de combate à disseminação do novo coronavírus, durante entrevista no sábado (04/04).

De acordo com ele, o Brasil terá na segurança alimentar a forma de recuperar sua economia, passado o ápice da contaminação da Covid-19. Mas que, sem a quarentena, a doença pode comprometer e gerar um colapso no sistema de saúde, assim como já fez em países desenvolvidos, a exemplo da Itália e Espanha.

Ronaldo Caiado ressaltou que o País é um dos poucos que tem força para se reerguer o mais rápido possível da crise mundial gerada pela Covid-19. “Produzimos o que é essencial para a vida, que se chama segurança alimentar. Somos capazes de abastecer 220 milhões de cidadãos e ainda poderemos exportar bilhões de grãos, carnes e outros produtos. Saberemos sair da crise”, garantiu o governador.

Infelizmente, em todo o mundo o novo coronavírus gerou colapso e desemprego, pontuou Caiado. No entanto, ele defende que é preciso sair dessa crise com o menor índice de mortalidade. “Serei muito realizado por cumprir meu mandato tendo lutado até o último minuto para dar qualidade ao cidadão que buscou socorro nos hospitais, mas ficarei frustrado se milhares de pessoas buscarem uma unidade e não ter vaga para atendê-los", sublinhou o governador, que é médico por formação.

Sem guerra de lados
“Por favor, aguardem! Acreditem no que estamos fazendo”, conclama. Caiado explica que a tendência em todo Brasil é de aumento de casos da Covid-19 nas próximas semanas e, portanto, este não é o momento de entrar em luta por achar que um lado é mais certo que outro. “Não crie essa guerra de lados. Vamos ter uma ação e um norte único. Vamos salvar as pessoas e a vida”.

Ao falar sobre os pedidos para a abertura de comércio e serviços, proibidos por meio de novo decreto editado ontem, disse que nesse momento as pessoas precisam entender que estamos numa realidade que exige prudência. “Se você estiver com seu churrasquinho, você acha que alguém vai lá comprar hoje? Você estará gastando mais. Você estará aberto, mas quem é que vai lá?”, questionou. “Vamos tomar os melhores caminhos para que a gente supere isso”, continuou ao defender a quarentena.

Por fim, o governador afirmou que passada a fase crítica, o Estado vai defender e buscar alternativas para as pessoas que precisam. “O Estado é isso. É a mão forte que estende a quem precisa. No meu primeiro ano direcionei meu governo para os municípios mais carentes e mais humildes, para que tivéssemos dignidade e cidadania. E é assim que vocês vão ver o médico agindo em todo e qualquer momento. Estou priorizando o que meu papel de governador exige, que é preservar a vida”.

Secretaria de Comunicação - Governo de Goiás

Em Goiás, pais de mulher morta por coronavírus assistiram enterro a 20 metros de distância



O casal de aposentados Ataliba e Nair fez questão de acompanhar o sepultamento do corpo da filha caçula, a técnica de enfermagem e de laboratório Adelita Ribeiro, na tarde de sábado (4), em Goianápolis, a 32 quilômetros de Goiânia. Não houve despedidas. Tudo foi assustadoramente rápido em razão das circunstâncias. Por estarem no grupo de risco para o Covid-19, os pais assistiram a ação dos coveiros a 20 metros de distância em absoluto silêncio tomados por uma tristeza profunda.

Adelita nasceu em Itapaci (GO), onde os pais ainda vivem, mas se mudou jovem para Goiânia para dar continuidade aos estudos. Fez o curso de Técnica em Enfermagem e trabalhava nas redes privada e pública. O único irmão, mais velho do que ela, vive em Portugal e não pode estar ao lado dos pais neste momento. Ataliba e Nair, logo após o sepultamento, voltaram para Goiânia para cumprir o período de isolamento na casa onde a filha morava sozinha, no Setor Universitário.

De acordo com a prima de Adelita, Maria Claudia Miranda Silva, a pessoa que teve de tomar todas as providências para o sepultamento, o enterro ocorreu em Goianápolis porque lá reside uma familiar que já possui jazigo no cemitério local. Em razão da urgência, a família achou mais viável levar o corpo da jovem para a cidade da região metropolitana de Goiânia.    

A técnica de enfermagem trabalhou pela última vez na unidade do Hemolabor, no Hospital do Coração, no Setor Oeste no dia 27 de março, sexta-feira. Seu turno, conforme a rede de saúde, era de 12 por 36, mas ela não teve condições de reassumir a função no turno seguinte por não estar se sentindo bem. Na segunda-feira, 30, ela chegou a ir ao trabalho, mas teve uma queda de pressão e foi internada no próprio hospital, onde acabou morrendo neste sábado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Colegas contaminados

Conforme o Hemolabor, logo que tomou conhecimento da possibilidade de que a funcionária tinha contraído o coronavírus todo o grupo que trabalhou com Adelita foi afastado. Os cinco colegas da técnica de enfermagem foram submetidos ao teste para o Covid-19 e em três deles o resultado foi positivo. Todos estão isolados e assintomáticos, sendo acompanhados pelo Hemolabor.

Adelita também estava assintomática para o Covid-19. Hoje, como as autoridades de saúde já definiram pela contaminação comunitária, é impossível saber onde e quando ela contraiu o vírus. O Hemolabor informou que logo que soube do teste positivo informou a UPA Novo Mundo, onde Adelita também trabalhava. A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) explicou que todos os profissionais da UPA Novo Mundo estão sendo acompanhados. “Até o momento apenas um apresentou sintomas”, informou a assessoria de imprensa da SMS.

Fonte: O Popular

No pior dos cenários, projeção indica 400 mortes por coronavírus em Goiás



A capacidade de contágio do novo coronavírus entre a população goiana definirá qual o impacto da pandemia da Covid-19 no Estado nos próximos dias e meses. O fator, que será influenciado pela adoção de medidas de controle da transmissão, como o isolamento social e os hábitos de higiene, implicará diretamente na forma como a rede de saúde atenderá aos pacientes e, consequentemente, no número de mortes que ocorrerão em Goiás.

Um estudo apresentado na sexta-feira (3) pelo governo estadual aponta que, no pior dos cenários, quase 400 pessoas podem morrer pela doença em 30 dias. Contudo, na melhor das hipóteses, cerca de 200 dessas vidas podem ser preservadas.

A análise, realizada em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), mostra três cenários possíveis durante o enfrentamento da disseminação do novo coronavírus em território goiano, tendo como variável a forma de aplicação do isolamento social. O desenho mais crítico se dá quando há a suspensão das medidas de restrição de circulação impostas. Nele, mais de 100 mil pessoas seriam infectadas no período de um mês, cujo ponto de partida considerado é 27 de março.

A data utilizada é o dia em que foi identificada a existência de transmissão comunitária em Goiás, de acordo com o secretário estadual de Desenvolvimento e Inovação (Sedi), Adriano da Rocha Lima. “O estudo é baseado na taxa de contágio de uma pessoa já contaminada para outras. Isso começou com a transmissão comunitária. A primeira vez em que foi comprovada a transmissão entre cidadãos foi nessa data”, explica ele, que é titular de uma das pastas envolvidas na pesquisa, que, nesta fase, também contou com a Economia e a Saúde estaduais.

Dentre os infectados no período, estima-se que 369 morreriam. Com as variações consideradas no cálculo, este número poderia variar entre 339 e 399. Contudo, segundo Lima, a ocorrência dos extremos é mais improvável. Assim, considerando também os valores de ocorrência mais provável, haveria a necessidade de 8,8 mil leitos hospitalares, sendo 576 de unidade de terapia intensiva (UTI).

Para comparação, as unidades que funcionarão como hospitais de campanha durante a pandemia, voltadas especificamente para o atendimento de pacientes com o novo coronavírus no interior e na capital, oferecem aproximadamente 1,8 mil leitos, criados com o intuito de ampliar a capacidade da rede do Estado. Impedir a sobrecarga do sistema de saúde e a consequente falta de atendimento para aqueles que precisam, seja por Covid-19 ou por outros problemas, é uma das principais motivações do isolamento.

Taxa de contágio

No cenário mais grave, a capacidade de transmissão do vírus de uma pessoa infectada é de 2.2. O número, chamado de R0, indica a quantidade de pessoas que poderiam contrair o novo coronavírus. O valor mencionado ocorreria, em Goiás, nas condições de relaxamento do isolamento social. Alcançá-lo, no entanto, significaria um retrocesso na situação atual. O panorama existente no Estado é de contágio de 1.6 pessoa por infectado.

Para o Estado, contudo, a manutenção das medidas adotadas atualmente implicaria em uma redução gradual do índice, que de 1.6 poderia chegar a 0.95. “Isso pode ser alcançado se a população se utilizar de mecanismos de higienização, seguir as regras sanitárias e manter o distanciamento entre pessoas, o que garante maior dificuldade de transmissão”, diz Adriano.

Longo prazo

De acordo com o estudo, Goiás teria cerca de 40 dias, a partir de 27 de março, para enfrentar o pico de casos no cenário mais dramático. A estimativa é de que 2,2 milhões de pessoas teriam a Covid-19. O número cai para 1,5 milhão de infectados com a manutenção da taxa de transmissão atual. Com a redução do índice, no cenário mais otimista, 318 mil pessoas teriam a doença. Tal análise, contudo, é considerada menos precisa do que a feita para o curto prazo.

“Toda projeção é baseada em uma série histórica. A partir dela, se projeta comportamentos futuros. Temos uma série histórica curta, por se tratar de uma doença que surgiu muito recentemente. Além disso, há imprecisão pela subnotificação. A gente sabe que muitos casos acontecem e não são notificados, não temos elementos de teste suficientes. Há ainda pessoas assintomáticas nem recorrem aos testes”, diz Lima. “Quando mais dados tivermos, mais preciso ficará. Vamos acompanhar e revisar as previsões semanalmente.”

Fonte: O Popular

Dianópolis/TO tem primeiro caso confirmado de coronavírus



A Prefeitura de Dianópolis (TO) por meio do Comitê Gestor, responsável pelas medidas de enfrentamento ao Coronavírus, informa neste sábado, 04/04, o primeiro caso de Covid-19, testado positivo no município.

A informação foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), O caso foi notificado como suspeito em Dianópolis, onde a pessoa procurou atendimento médico e realizou teste em clínica particular, tendo a confirmação positiva para Covid-19.

A Prefeitura informa que até o momento, foram notificados 22 casos no município, sendo 6 destes descartados por exame ou fim de período de contágio. 15 casos ainda está em análise e uma confirmação para teste positivo. Todos os casos notificados como suspeitos, são repassados a SES, seguindo os protocolos determinados pelo Ministério da Saúde.

A Prefeitura esclarece que todas as medidas orientadas no protocolo do Ministério da Saúde, já foram tomadas e informa que a Semus, monitora o ciclo de contatos da pessoa testada positivo e segue as recomendações das autoridades sanitárias.

A Prefeitura continua pedindo para que a população permaneça em casa, mantendo as restrições de aglomeração, com o objetivo de prevenção e proliferação do vírus, adotando as orientações repassadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Prefeitura Municipal de Dianópolis - TO

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Família de enfermeiro morto por coronavírus viu enterro pela internet; ‘nada mais doloroso’, diz irmã



O enfermeiro Idalgo Moura, de 45 anos, é descrito como alguém que viveu para “servir e cuidar” de todos. Em São Paulo e na Paraíba, tinha “um milhão de amigos” e uma família que o admirava, mas poucos puderam se despedir do profissional de saúde, morto pelo novo coronavírus na terça-feira, 31.

A maioria só conseguiu acompanhar o sepultamento, que durou menos de 10 minutos, por uma transmissão ao vivo no Facebook, feita em prantos por Agnelo, irmão que, mesmo no grupo de risco do covid-19, atravessou o país para se despedir.

A ideia inicial da família era cremar o corpo do enfermeiro e levar as cinzas para o sítio em que os pais de Moura vivem, no interior paraibano, onde cresceu. As dificuldades burocráticas da pandemia fizeram com que se decidisse pelo enterro, cujos restos mortais serão cremados daqui a três anos.

“A gente queria trazer pelo menos para fazer uma cerimônia simbólica para a família, aqui. E a gente não conseguiu, era muito burocrático, não tinha tempo hábil”, conta a jornalista Mafalda Moura, de 40 anos, irmã do enfermeiro e que acompanhou tudo de João Pessoa.

Segundo ela, cerca de 12 pessoas compareceram ao enterro, entre primos, um dos irmãos e amigos mais próximos - todos utilizavam máscaras. Os profissionais que atuaram no sepultamento, em um cemitério privado de Santo André, no ABC Paulista, vestiam macacões de proteção.

“O que impediu as pessoas de irem foi a rapidez que tudo tinha de acontecer. Não tinha velório, não tinha voo da Paraíba para o Sul. E nem as pessoas próximas lá de São Paulo (conseguiram ir), porque a gente não teve tempo hábil de avisar”, explica. “Ele tinha um milhão de amigos, conhecia muita gente.”

“Foi injusto, sabe. O Idalgo tem uma história de vida muito bonita. São mais de 20 anos dedicados à enfermagem. Começou como técnico, foi auxiliar e, depois, se formou (na graduação). Sofreu muito para se formar, filho de pobre, do interior da Paraíba. Tinha época do ano que tinha três empregos para pagar a faculdade e se manter em São Paulo”, descreve a irmã.

“Ele estava na linha de frente, tratando isso (covid-19). Foi infectado, internado e ficou só em um leito de UTI, não tinha família e amigos perto. A gente não podia visitar, nem ver de longe. Foi enterrado sem abrir o caixão. A gente pôs uma foto em cima para enterrar”, lamenta. “Morrer e ser enterrado desse jeito. Acho que a gente não vai esquecer nunca. Não tem nada mais doloroso do que isso”, diz ela.

“Ele deixa um legado muito importante, do bom servidor, bom funcionário, do cara que gosta de servir. Quando ele estava já sendo atendido (com suspeita do vírus), já com a saúde debilitada, falou para a minha mãe: ‘só fico triste porque vou passar 14 dias em casa e não vou estar aqui dentro para ajudar os meus companheiros, porque o negócio aqui está feio'. Ele achava que iria para casa, mas, nesse mesmo dia, já foi internado, entubado e não saiu mais vivo.”

Moura ficou cerca de 12 dias internado na UTI do Hospital Municipal do Tatuapé, zona leste da capital paulista, onde trabalhava. Segundo familiares, chegou a ser tratado com cloroquina, que era uma das últimas esperanças para reverter a situação.

Natural de São José de Espinharas (PB), não era casado nem tinha filhos. Vivia em São Paulo há 26 anos. “Não falo porque era meu irmão”, diz Mafalda, “foi uma das melhores pessoas que conheci.” “Ele é idolatrado na nossa cidade, não só por familiares, por todo mundo, você não imagina o tamanho da comoção.”

Fonte: Estadão Conteúdo

Governo de Goiás prorroga decreto de isolamento por mais 15 dias e flexibiliza algumas atividades



O governo de Goiás prorrogou por mais 15 dias a interrupção das atividades consideradas não essenciais no Estado, dentro das medidas tomadas para conter a propagação do coronavírus. É o que determina o novo decreto de isolamento social no Estado divulgado agora há pouco pelo governador Ronaldo Caiado.

Estabelecimentos abertos ao público que possam resultar na aglomeração de pessoas, como bares, restaurantes, lanchonetes, academias, cinemas, igrejas e distribuidoras de bebidas continuam não podendo funcionar durante este período. A exceção são restaurantes e lanchonetes instalados em postos de combustíveis situados às margens de rodovia, assim como borracharias e oficina nestas localidades.

Shopping centers, camelódromos, clubes recreativos, teatros, casas noturnas e até áreas comuns de condomínios também deverão permanecer fechados nestes 15 dias de prorrogação do decreto. Entre as atividades liberadas estão autopeças, feiras livres de hotifrutigranjeiros e cartórios.

No caso das feiras livres de hortifrutigranjeiros, está proibido o funcionamento de restaurantes e praças de alimentação, assim como o consumo de produtos no local e a disponibilização de mesas e cadeiras aos frequentadores.

O novo decreto libera ainda a abertura de escritórios de profissionais liberais, vedado o atendimento presencial ao público. Também prevê a retomada das atividades administrativas das instituições de ensino públicas e privadas.

O governador promete intensificar a fiscalização sobre o cumprimento das regras, pois muitas empresas insistem em descumprir as normas e já estão funcionando apenas com meia porta aberta e outras ameaçam retornar à atividade de qualquer forma. 

Nesta próxima quinzena, só poderão funcionar atividades de prestação de serviços de saúde, nos casos em que os tratamentos não podem ser interrompidos ou adiados por colocarem em risco a vida do paciente, como atendimentos de pré-natal e parto, doentes crônicos, tratamentos continuados, revisões pós-operatórias, controle da dor e disfunções orgânicas, diagnóstico e terapias em oncologia e psiquiatria.

Estabelecimentos que estejam produzindo exclusivamente equipamentos e insumos para auxílio no combate à pandemia da Covid-19 também continuam autorizados a funcionar.

Veículo e carga roubada na BR-020, em Posse/GO foram localizados pela PM na GO-346



Através de denúncia anônima dirigida a Polícia Militar na quinta-feira (02), dando conta de uma movimentação atípica em um galpão localizado as margens da Rodovia GO-346, no município de Cabeceiras.

Policiais militares identificaram o local e através de uma abertura no portão, conseguiram visualizar o caminhão Volks modelo 24250 e sua carga roubados no último dia 31.

O responsável pelo galpão informou que o local havia sido alugado a um terceiro.

O caminhão e a carga foram roubados na BR-020 no município de Posse, no nordeste goiano, por criminosos armados que renderam o condutor que estava em trânsito pelo local.

A empresa vítima do crime foi comunicada da localização dos produtos. A carga continha materiais para limpeza, bebidas e outros itens. Os envolvidos, embora identificados, não foram localizados pela Polícia Militar.

quinta-feira, 2 de abril de 2020

Propostas para adiar eleições municipais para 2022 ganham força entre senadores



As propostas legislativas de adiamento das eleições municipais de 2020 para 2022, devido à pandemia de coronavírus, têm ganhado força entre senadores. Um deles é o líder do PSL, senador Major Olimpio (PSL-SP), que defende a unificação dos pleitos federais, estaduais e municipais, evitando-se os gastos com as campanhas eleitorais deste ano. A economia esperada, segundo o senador, seria de até R$ 1,5 bilhão, além dos recursos do fundo eleitoral, que não seriam utilizados. 

Major Olimpio, que chegou a enviar ofício ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo o adiamento das eleições, deve apresentar uma proposta de emenda à Constituição (PEC) nesse sentido. Em debate transmitido pelas redes sociais na sexta-feira (27), o senador destacou que o momento pede união.

“É hora de união e não de eleição. Fazer as eleições este ano gerará um grande risco à saúde pública, bem como um grande desperdício de bilhões de reais de dinheiro público, que pode ser destinado ao suporte à população na luta contra o coronavírus”, destacou. 

No domingo (29), o senador Elmano Ferrer (Podemos-PI) disse estar reunindo esforços para a viabilização de outra PEC, de sua autoria, também com vistas à realização de eleições gerais em 2022. Por meio de sua assessoria, ele ressaltou a situação de calamidade pública no país, com todas as atenções voltadas para o combate ao coronavírus. Ele defende que a verba das campanhas eleitorais seja destinada a estados e municípios na luta contra a covid-19. 

“Além de permitir concentrarmos todos os esforços no combate à epidemia, esta medida trará benefícios para os cofres públicos. Esse é o momento para que as eleições se tornem coincidentes no Brasil” – ponderou. 

PECs

Para uma PEC ser apresentada, o senador deve colher assinaturas de outros 26 parlamentares. Além das propostas que Major Olimpio e Elmano Ferrer pretendem protocolar, há outras proposições em análise no Senado que pedem a unificação das eleições federais, estaduais e municipais. A mais recente (PEC 143/2019) é do senador Luiz do Carmo (MDB-GO), que muda a duração do mandato dos prefeitos e vereadores eleitos em 2020 para viabilizar a coincidência geral dos mandatos a partir de 2026. 

Seguindo o mesmo entendimento, senadores como Luis Carlos Heinze (PP-RS), Ciro Nogueira (PP-PI) e Mailza Gomes (PP-AC) se pronunciaram nas redes sociais. Para Ciro, o adiamento das eleições seria um “ato humanitário” que poderá salvar milhares de vidas, com o uso de cerca de R$ 8 bilhões no enfrentamento à covid-19. Já Mailza afirmou que, em vez de campanha eleitoral, o tempo é de união de esforços e de atenção das autoridades voltada unicamente às medidas de combate e enfrentamento ao coronavírus no país. 

“O momento agora não é de pensar em eleições, e sim, de isolamento e de buscarmos soluções para enfrentarmos essa pandemia. Saúde das pessoas em primeiro lugar”, escreveu. 

Tempo

O senador Lasier Martins (Podemos-RS) disse concordar com o adiamento das eleições, mas demonstrou preocupação com a possibilidade de contestações das PECs que unificam os pleitos. Em entrevista à Agência Senado, ele citou o caso de municípios brasileiros onde a população espera mudança de seus prefeitos por terem, segundo afirmou, frustrado as expectativas dos eleitores. Lasier ressaltou, no entanto, que os bons gestores, quando for o caso, terão a chance de ser reeleitos. 

O senador chegou a enviar ofício à presidente do TSE, Rosa Weber, sugerindo mudar o prazo para filiações, de 3 de abril para 3 de maio. Também pediu que a data da eleição seja redefinida, de acordo com o andamento da epidemia. Lasier defendeu ainda uma proposta de emenda constitucional que está sendo preparada pela senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) propondo a realização das eleições municipais logo após o fim da decretação de calamidade, previsto para agosto. O texto, segundo o senador, pretende estabelecer como marco 120 dias a partir da data de definição do fim da crise pelo Ministério da Saúde. 

— Me propus a ser o relator da matéria, e adiantei que apresentarei emenda para que o pleito seja realizado em até 90 dias após a declaração do fim da pandemia. Sugestão prontamente acatada pela senadora [Soraya]. Com isso, mantemos o preceito constitucional, com tempo suficiente para sua organização e realização até 6 de dezembro, e deixamos para outra ocasião a discussão sobre a unificação dos pleitos, que deverá ser bastante árdua — justificou. 

Evolução

Faltam 185 dias para as eleições municipais. O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) chegou a lançar enquete no Twitter para obter a opinião dos internautas sobre a transferência do pleito. Das 4.043 pessoas que participaram da pesquisa até esta segunda-feira (30), 65.9% concordaram que as eleições de 2020 devem ser adiadas. Os 34.1% restantes discordaram da medida. 

Na opinião do senador Marcelo Castro (MDB-PI), ainda é cedo para tratar do assunto. Ele ponderou que, por enquanto, o foco das atenções deve ser a saúde do país e as ações de enfrentamento à covid-19. 

"O momento é de cautela e devemos estar focados no combate à pandemia do coronavírus, para depois falar em eleições", declarou, por meio da assessoria.  

Em nota publicada na página do TSE na quinta-feira (26), a ministra Rosa Weber esclareceu que o tribunal está acompanhando a evolução diária do cenário de crise nacional. Ela considerou prematuro o debate sobre o adiamento das eleições, mas pontuou que a velocidade da evolução do quadro exige permanente reavaliação das providências. 

“Essa avaliação é compartilhada pelo vice-presidente, ministro Luís Roberto Barroso, que estará na presidência do TSE durante o próximo pleito”, informou a nota.

Fonte: Agência Senado

Goiás tem 65% da população em isolamento, mostra levantamento



Um levantamento feito por uma empresa de tecnologia de geolocalização apontou que cerca de 65% dos goianos, em média, estão ficando em casa após a adoção de medidas de isolamento social nas últimas semanas. O Estado é o segundo “mais disciplinado”, como define o veículo Brazil Journal, que teve acesso aos dados da In Loco. Em primeiro lugar, está Santa Catarina, com 66% de isolamento da população. Atrás de Goiás, está o Ceará, com63%.

No âmbito nacional, há 60% dos brasileiros em isolamento, segundo a publicação. Os dados são obtidos por meio de software instalado em mais de 60 milhões de celulares, que mede a quantidade de pessoas que não saíram de casa naquele dia. Com isso, foi possível também identificar que o número de indivíduos nessas condições tem aumentado.

Na terça-feira (24), houve o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em rede nacional de televisão, durante o qual ele incentivou a população a retomar suas rotinas normais. De acordo com o estudo, a manifestação impediu que o número crescesse durante a semana, mas não fez o isolamento diminuir.

Entre os dias 22 e 27 de março, houve medida de 59,33% de isolamento no País. Na semana, houve o seguinte percentual:

Domingo (22): 70%

Segunda-feira (23): 56%

Terça-feira (24): 56%

Quarta-feira (25): 57%

Quinta-feira (26): 58%

Sexta-feira (27): 59%

Dados

Além dos estados mais disciplinados, os dados da In Loco também apontam o comportamento em outros mais populosos, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Nestes, o isolamento médio na semana foi de 57,7%, 59,4% e 57,8%, respectivamente.

Entre os dias da semana, houve destaque para a quarta-feira como aquele em que as pessoas menos ficam isoladas. Contudo, mesmo neste dia tem havido maior recolhimento quando em comparação com semanas anteriores. Entre as últimas três quartas, houve progresso do isolamento de 22% para 32% e, por fim, para 57%.

Já o domingo, quando as pessoas saem menos de casa, houve evolução de 34%, no dia 8 deste mês, para 52%, no dia 15, e 70% no dia 22.

Segundo a publicação do Brazil Journal, os dados da In Loco estão sendo compartilhados de forma gratuita com prefeituras e governos estaduais para que a efetividade das medidas de isolamento seja aferida e para a tomada de decisão sobre outras.

Fonte: O Popular