domingo, 10 de março de 2019

Investimento estrangeiro vai gerar mais de mil empregos no Nordeste Goiano




Governador Ronaldo Caiado recebeu, no final do mês de fevereiro, ao lado do secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Adriano da Rocha Lima, representantes do fundo de investimentos Enspire Group, dos Emirados Árabes, e da empresa sul-coreana Korea Sustém Business – KSB Energy, que atua no segmento de energia fotovoltaica.

Nessa reunião com os empresários, Caiado avaliou, sob o ponto de vista técnico, o projeto para a construção de uma fábrica de placas fotovoltaicas e a instalação de uma usina fotovoltaicas em São João d’Aliança, região nordeste do estado.

No final de janeiro o governador Ronaldo Caiado e as empresas envolvidas haviam assinado um protocolo de intenções para instalação da usina.

O projeto entra agora na fase de apresentação dos documentos solicitados pelo Banco Central e pelo governo Federal. Na sequência, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente irá realizar o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), fundamental para um projeto dessa extensão.

A usina já tem uma área definida e será capaz de gerar 600 megawatts de energia solar, se tornando uma das maiores do mundo no gênero. A área foi concedida pelo estado, num acordo bilateral que exige contrapartidas da empresa multinacional.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Adriano da Rocha Lima, acompanhado do CEO mundial da KSB Energy, Park Jong-Bok, e o CEO da companhia no Brasil, José Vieira, fez recentemente uma visita técnica a área no município de São João d’Aliança.

“A tecnologia coreana será um marco no desenvolvimento do Estado de Goiás”, ressalta o governador, que recebeu um estudo técnico que determina o local escolhido para a instalação da usina e da fábrica. “Há todo um trabalho feito de planimetria, mostrando que o relevo é ideal e a luminosidade é perfeita, e a avaliação da proximidade com as redes de alta tensão, com as quais o Estado nutre o país todo, além de mostrar toda a beleza da região, isso permitirá aos turistas apreciar o que eles vão mostrar em termos de tecnologia e de melhoria das condições de desenvolvimento da região.” avaliou o governador.

Adriano da Rocha Lima detalhou as próximas etapas. “Uma delas é todo o processo de licenciamento ambiental que, por mais que tenhamos celeridade e disposição para adiantar, tem um rito mínimo a ser seguido. Precisa passar pela estação chuvosa e de seca, para que tudo seja feito conforme a legislação ambiental. Há também toda uma exigência jurídica para que investimentos de fora entrem no Brasil e para a empresa, que vai fazer todas as instalações da fábrica, se estabeleça no país”, ponderou.

O secretário estima que sejam necessários mais seis meses para finalizar a fase jurídica. “É o prazo para o recurso chegar ao Brasil, a empresa estar aberta e todos os trâmites concluídos. A parte ambiental leva um pouco mais tempo. Acreditamos que até o final deste ano, todo o processo ambiental esteja concluído, para que no início do ano que vem, comece efetivamente a instalação da usina e da fábrica”, estimou.

Complexo Turístico

O projeto prevê ainda a construção de um parque temático. A ideia é construir um complexo turístico de referência nacional, que abrigue atividades de lazer e tenha condições de receber turistas de todo o país. A própria usina já se transformará em uma atração aos visitantes do nordeste goiano. Com investimentos previstos de US$ 2 bilhões (aproximadamente R$ 8 bilhões), a instalação da indústria deve gerar mais de 1 mil empregos diretos, levando desenvolvimento e oportunidades ao nordeste goiano.

Adriano da Rocha estima que serão gerados uma quantidade significativa também de empregos indiretos, que devem transformar a região do Nordeste goiano. “Há toda uma cadeia produtiva envolvida, com os mais diversos fornecedores, que vão gerar empregos também. A instalação não é só da usina, mas da fábrica das placas fotovoltaicas, parques temáticos e de outras empresas de tecnologias que vão compor este parque tecnológico”, afirmou.

Projeto piloto

O município de São João d’Aliança já começa a colher frutos do empreendimento. Começará pela cidade a implantação de um projeto piloto que fará a substituição da iluminação pública de baixa eficiência por lâmpadas LED de alta eficiência. O projeto deverá ser levado aos 246 municípios do estado.

No dia 19 de fevereiro a prefeita Débora Domingues esteve em São Paulo, onde assinou um memorando de intenção com as empresas Korea Sustém Business- KSB e Enspire KSB Energy, visando dar inicio a instalação do projeto.

Fonte: O Vetor

Nenhum comentário:

Postar um comentário