segunda-feira, 27 de maio de 2019

De Aurora/TO: Roni, ex-jogador da seleção e do Fluminense, é solto um dia após prisão em Brasília



Após ser ouvido por investigadores da Polícia Civil, o ex-jogador Roniéliton Pereira Santos, 42 anos, ou Roni, foi solto na noite deste domingo (26/05/2019). Ele estava detido na carceragem da corporação desde a tarde de sábado (25/05/2019).

O empresário é suspeito de cometer fraudes nas bilheterias dos jogos organizados pela sua produtora, a Roni7, assim como outras seis pessoas.

Preso na mesma operação, o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), Daniel Vasconcelos, também foi liberado no início da noite deste domingo (26/05/2019). Os outros detidos foram colocados em liberdade na sequência.

A PCDF encontrou indícios de fraude em quatro disputas promovidas em 2019 na capital e em mais dois estados. Cerca de 20 jogos realizados entre 2015 e 2019 no Estádio Mané Garrincha também são investigados pela polícia. Roni é considerado o principal operador das partidas de futebol dos clubes cariocas fora do estado do Rio de Janeiro.

As prisões temporárias do ex-atacante e de mais seis investigados fazem parte da operação Episkiros deflagrada pela Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado, aos Crimes Contra a Administração Pública e aos Crimes Contra a Ordem Tributária (Cecor).

A reportagem apurou que alguns dos alvos da operação foram: Leandro Brito, sócio de Roni; Rogério Meireles, responsável pelo financeiro da produtora; e um colaborador identificado como Caio. O presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal, Daniel Vasconcelos, também estava entre os presos. Seis pessoas foram detidas no local. Um sétimo investigado trabalhava no Estádio Mané Garrincha.

Na casa de Vasconcelos, no DF, os policiais apreenderam um revólver calibre .38. Com isso, ele também foi autuado e preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Os delegados estipularam uma fiança de R$ 10 mil, que já foi paga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário