sexta-feira, 21 de junho de 2019

MP aponta esquema onde o prefeito de Iaciara/GO teria recebido mais de R$ 100 mil em diárias



Servidores da prefeitura de Iaciara, entre eles o prefeito Haicer Sebastião Pereira Lima, estão sendo investigados pelo Ministério Público de Goiás por suspeita de participarem de um esquema de desvio de recursos públicos. Na última quarta-feira (19), a Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão em prédios da administração municipal.

Na ação, agentes de PC apreenderam um computador e 325 caixas de arquivos do Controle Interno e da Secretaria de Administração, além de documentos relativos a ordens de pagamento. A operação batizada de Voucher Público aponta que secretários, servidores e o próprio prefeito estão, supostamente, cursando seminários, indo a palestras, congressos e recebendo diárias de viagens. Segundo o promotor de Justiça Asdrear Salinas Macias, os valores são exorbitantes.

De acordo com a ação do MP, somente no ano de 2017, o prefeito Haicer Sebastião passou 46 dias viajando. Daquele ano até o dia 11 de junho de 2019, foram concedidas 126 diárias ao gestor. O montante pago ao prefeito teria ultrapassado R$ 100 mil, sete vezes o valor do salário que ele recebe como prefeito do município de Iaciara.

A promotoria considera que a situação fica ainda pior quando foi identificado que outras cinco secretárias, entre elas a irmã e mãe do prefeito, também eram beneficiadas do esquema. A matriarca é Zélia Pereira Lima, que ocupa o cargo de secretária de Assistência Social. Já a irmã do prefeito, Iévora Aparecida Lima, é secretária de saúde do município. Desde o ano 2017, o MP calcula que mãe e filha já teriam embolsado mais de R$ 45 mil.

Na decisão, que determinou o cumprimento dos mandados, o juiz Gustavo Costa Borges afirmou que “percebe-se a existência de indícios de autoria e materialidade que autorizam a busca e apreensão dos documentos referentes a todos os envolvidos e, porventura, outros que durante a investigação forem descobertos”. O magistrado acolheu ainda pedido feito pelo MP-GO e determinou o bloqueio de bens dos réus.

Fonte: O Popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário