quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Crise fiscal em Monte Alegre de Goiás. Servidores param e prefeito ameaça com ação judicial. Há quase R$ 2 milhões em dívidas de precatórios



A crise em Monte Alegre de Goiás, nordeste do estado, parece não ter fim.

Como já publicamos há dias, a prefeitura do município está com sérias dificuldades em honrar os compromissos financeiros com os servidores públicos.

Neste início de novembro, a chapa voltou a esquentar.

Um comunicado do Sindicato dos Professores do Estado de Goiás foi distribuído à comunidade  informando que, caso o pagamento de todos os servidores da educação municipal não fosse quitado até ontem (11), haveria paralisação das atividades nos dias 12, 13 e 14. 

O que de fato acabou acontecendo. 

Ainda segundo o comunicado, a classe de profissionais está muito preocupada com o fechamento do ano letivo, mas, em virtude da situação, não há outra saída a não ser a paralisação.

Há servidores sem receber salários há mais de três meses.

Contas simples de água, luz e internet estão sem serem pagas por muitos deles, por falta de recursos.

Muitos dos servidores estão se socorrendo a parentes para poder comprar alimentos, medicamentos e outros itens básico de sobrevivência.

Para piorar, parece que o prefeito da cidade, Juvenal Fernandes, fechou todas as portas para o diálogo.

Em um comunicado, o prefeito mandou informar aos professores que o ano letivo ficará prejudicado com a paralisação e que, por isso, tomará todas as medidas necessárias  junto ao Poder Judiciário, como ações penais, além de representações junto ao Ministério Público de Goiás e ao Conselho Estadual de Educação.

No documento divulgado aos professores, o prefeito explica que a falta de pagamento se deve à determinação do presidente do TJGO (Tribunal de Justiça de Goiás), que determinou o bloqueio dos repasses ao município, sempre no dia 10 de cada mês, para o pagamento de precatórios judiciais, por dívidas da prefeitura referentes ao ano de 2016, quem somam quase R$ 2 milhões de reais.

O bloqueio nas contas do município, segundo o prefeito, tem inviabilizado tudo, até o pagamento dos salários dos serviços essenciais.

A situação é tensa no município.

Fonte: Dinomar Miranda



Nenhum comentário:

Postar um comentário