segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Produto utilizado para reduzir incêndio na Chapada dos Veadeiros pode contaminar água e peixes


Segundo matéria divulgada nesta segunda-feira (12), pelo jornal Estado de São Paulo, os riscos de contaminação atrelados a um produto químico que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, determinou que fosse lançado sobre as áreas de incêndio na Chapada dos Veadeiros (GO) esta semana são tão controversos que o próprio Ibama faz alertas graves sobre sua utilização.

O jornal teve acesso a uma nota técnica feita pela Coordenação de Avaliação Ambiental de Substâncias e Produtos Perigosos do Ibama, em julho de 2018. Neste documento, os técnicos do Ibama analisaram o produto que foi lançado na região, ainda sem ter a devida regulação ambiental no Brasil.

Esse produto químico, que é misturado à água e lançado por aviões sobre a vegetação, tem a propriedade de aumentar a capacidade de retenção do fogo. Os técnicos são taxativos em suas recomendações, ao recomendarem “a suspensão do consumo de água, pesca, caça e consumo de frutas e vegetais na região exposta ao produto pelo prazo de 40 dias”.

Esse prazo é estipulado, de acordo com a nota, porque o produto lançado na floresta demora pelo menos 28 dias para que cerca de 80% a 90% de seu material se degrade. O composto utilizado, conhecido como retardante de fogo, foi o Fire Limit FL-02.

A área técnica do Ibama recomendou ainda que a aplicação desse produto fosse feita fora das Áreas de Preservação Permanente (APP), como margens de rios. A Chapada dos Veadeiros é uma região tomada por florestas protegidas, como o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

O receio de contaminação pelo produto químico levou o órgão do próprio Ministério do Meio Ambiente a recomendar que todos os locais onde o retardante de chama fosse aplicado tivesse de ser georreferenciado, registrando a data da aplicação, quantidade de produto utilizada e tamanho da área aplicada, pelo prazo de seis meses, pelo menos, de forma a identificar algum dano ambiental decorrente da aplicação do retardante de chama.

Além disso, os técnicos afirmam que é preciso fazer análise química para investigar os teores do retardante na água, solo, sedimento, peixes e frutas, com coletas realizadas após 30 dias da aplicação do produto.

Com informações do Estadão Conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário