terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Secretários de Saúde já esperam nova crise da vacina com falta de doses no país


Os secretários de Saúde estaduais já esperam uma nova crise da vacina com a falta de doses suficientes para imunizar mesmo os profissionais de saúde de suas regiões.

De acordo com dirigentes ouvidos pela reportagem, já é consenso, no Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que as 6 milhões de doses distribuídas na segunda-feira (18) pelo Ministério da Saúde vão acabar rapidamente.

Um deles chegou a dizer que elas vão durar apenas três dias em alguns estados.

Já a pressão, na ponta, segundo o mesmo secretário, vai se intensificar –sem perspectiva de chegada rápida de novos imunizantes para hospitais e postos de saúde dos municípios, e a alta de casos de Covid-19, a cobrança deve aumentar.

Haverá, portanto, um intervalo largo de tempo entre a primeira fase da campanha, iniciada nesta segunda, e a distribuição de um segundo lote de vacinas.

O Instituto Butantan, por exemplo, tem apenas outras 4 milhões de doses já prontas para distribuição, e que ainda vão ser aprovadas pela Anvisa para poder ser disponibilizadas aos estados. O processo, agora, deve ser célere, já que a análise mais aprofundada do imunizante foi feita no domingo (17). Mas o número de doses é insuficiente para uma ampla cobertura vacinal.

No total, a instituição deve disponibilizar 46 milhões de doses até março –as 6 milhões que começaram a ser distribuídas nesta segunda-feira (18), as outras 4 milhões que vão ser aprovadas e mais 36 milhões que ainda não estão prontas. Pelo calendário, o Butantan tem até março para finalizá-las e depende da chegada do IFA, o princípio ativo da Coronavac, da China para produzi-las.

Já a vacina de Oxford/Astrazeneca só deve começar a ser disponibilizada em larga escala no Brasil depois de março pela Fiocruz.

O Ministério da Saúde tentou importar, da Índia, um primeiro lote de 2 milhões da vacina inglesa de forma emergencial. Fracassou num primeiro momento e segue em tratativas para efetuar a compra.

O número de doses, de qualquer forma, é pequeno para o tamanho da população brasileira.

Fonte: Folha Press

Nenhum comentário:

Postar um comentário