quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

Estado e prefeituras goianas entram em corrida pela vacina


O governo estadual e os municípios goianos já iniciaram as negociações para aquisição de doses de vacinas contra o coronavírus (Sars-CoV-2). A movimentação foi divulgada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou, na última terça-feira (23), que Estados e municípios comprem doses de imunizantes por conta própria.

Goiás já conversa com, pelo menos, dois laboratórios e municípios se organizam para adquirir imunizantes, caso os governos federal e estadual demorem a entregar doses.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) informou que o Estado já mantém diálogo com empresas representantes da farmacêutica AstraZeneca e também com a União Química, que irá produzir a vacina russa Sputnik V, no Brasil. Ele diz que nos próximos dias fará uma visita à empresa, que fica na divisa com o Distrito Federal para avaliar as condições de produção da vacina. “Também estamos em contato com embaixadas para discutir o assunto”, revela.

Tanto a Pfizer, quanto a Fiocruz, que produz a vacina da AstraZeneca no Brasil, afirmaram que têm tratativas apenas com o governo federal. A reportagem entrou em contato com o Instituto Butantan, que produz a Coronavac, para verificar se existe um diálogo com o Estado, mas até o fechamento desta matéria não recebeu resposta.

Caiado afirmou ainda que Goiás trabalha junto a outros Estados para obter doses da vacina. De acordo com ele, além da qualidade, um dos principais pontos para definir qual vacina será comprada é a oferta. “Estamos com uma situação muito parecida com a dos respiradores. Existe muita demanda atrás de doses”, pontua. O governador diz que a intenção é suplementar o trabalho já realizado pelo Ministério da Saúde com o Plano Nacional de Imunização (PNI) e que a ação dele não contraria a postura que tem tido de fortalecer um plano único de vacinação para todo o Brasil. “O PNI é nossa prioridade.”

Foi aprovado em primeira votação na tarde desta quarta-feira (24) pela Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) o projeto de lei que autoriza o governo de Goiás a abrir crédito extraordinário de R$ 60 milhões a fim de comprar doses de vacinas contra a Covid-19 e a segunda deve ocorrer nesta quinta-feira (25). Goiás deve adquirir 2 milhões de doses de vacinas, sob investimento de R$ 120 milhões, sendo R$ 60 milhões do crédito aprovado pela Alego e os outros R$ 60 milhões por meio de remanejamento interno da Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES-GO).

Municípios

A Associação Goiana de Municípios (AGM) afirma que grande parte deles tem intenção de comprar doses de vacina caso os governos federal e o estadual não ofereçam os imunizantes. O presidente da associação, Paulo Rezende, já havia estado no Instituto Butantan no fim do ano passado demonstrando interesse de compra por parte dos municípios goianos. Na época, cidades como Trindade e Palmeiras de Goiás demonstraram intenção.

De acordo com a assessoria de imprensa de Palmeiras de Goiás, a intenção de compra das doses permanece a mesma e as tratativas com o Butantan serão iniciadas dentro de 30 dias caso o governo estadual não se posicione. O município, que possui cerca de 30 mil habitantes, afirma que pediu 30 mil doses do imunizante, mas não detalhou quanto deve ser gasto, pois ainda não se sabe por quanto cada dose seria vendida, nem se haverá um limite de unidades a serem adquiridas por município.

Em Trindade, a prefeitura tem reservados cerca de R$ 5 milhões para investir na vacinação. A maior parte do recurso vem das reservas do município. De acordo com o prefeito Marden Júnior (Patriota), somente para a compra de doses estão separados R$ 3 milhões. “Estamos em comunicação constante com o Instituto Butantan e avaliando a situação todos os dias. Queremos que as doses venham do Ministério da Saúde, mas se for necessário iremos comprar”, afirma.

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), anunciou nesta quarta-feira o interesse do município em comprar doses. Ainda nesta semana, ele deve se reunir com representantes de laboratórios para tratar da possibilidade de aquisição dos imunizantes para a população da capital. Questionada sobre quais laboratórios seriam esses, a assessoria de imprensa do prefeito informou que não tinha mais detalhes sobre o assunto.

Governadores

O presidente do Fórum dos Governadores e governador do Piauí, Wellington Dias (PT), diz que o fórum, do qual Goiás faz parte, tem negociado a compra de vacinas (veja quadro) com diversos laboratórios.

Dentre as opções, será avaliada qual a mais viável. Entretanto, não foram esclarecidos quais serão os critérios utilizados para a escolha. Dias ressalta que existe uma abertura com o Ministério da Saúde para que o Estado seja reembolsado pelo dinheiro que gastar adquirindo os imunizantes. “Nós, os Estados, não somos concorrentes do Ministério da Saúde. Estamos trabalhando o mesmo PNI, para complementar com mais vacina e imunizar mais rapidamente a população.”

Fonte: O Popular



Nenhum comentário:

Postar um comentário