sexta-feira, 2 de abril de 2021

Doze trabalhadores são resgatados em condições análogas à escravidão no DF e em Alto Paraíso de Goiás



Uma fiscalização realizada por auditores-fiscais do Trabalho, do Ministério da Economia, resgatou 12 trabalhadores que viviam em condições análogas à escravidão no Distrito Federal e em Goiás, na última semana. O resultado da ação foi divulgado nesta sexta-feira (2).

A força-tarefa, realizada em conjunto com o Ministério Público do Trabalho e a Polícia Federal, encontrou seis trabalhadores em uma empresa de produção de hortaliças em Vicente Pires, no DF. O local fica a cerca de 20 km da Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Segundo a equipe de resgate, o empregador produzia agrotóxicos sem conhecimento técnico e deixava a substância exposta, o que trazia riscos à saúde e à segurança dos trabalhadores. Além disso, os fiscais relataram que os funcionários estavam em "condições precárias de alojamento", com fiações expostas, sem água potável para beber e apenas um deles tinha a carteira de trabalho assinada.

Em Alto Paraíso de Goiás, uma carvoaria também foi alvo da força-tarefa. Segundo a equipe de fiscalização, no local, eles não tinham banheiro e, em caso, de necessidade, precisavam ir até o mato. Além disso, não havia equipamentos de segurança para a realização do trabalho.

Os dormitórios estavam em condições precárias, segundo a fiscalização, sem armários para que os funcionários da carvoaria guardassem os pertences. A parede do imóvel também não tinha vedação e permitia a entrada de insetos.

O nome dos empregadores e das empresas almo da ação não foi divulgado. Os responsáveis pelos dois locais foram autuados e devem pagar, ao todo, R$ 44,9 mil de verbas salariais e rescisórias aos trabalhadores.

Nos dois casos, a equipe de fiscalização também determinou a interdição das atividades e a imediata retirada dos trabalhadores, que foram alojados em outro local, com melhores condições.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário