segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Operação da Decar recupera carga de arroz avaliada em R$ 110 mil


A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar), em conjunto com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Secretaria de Economia de Goiás, através do compartilhamento de informações, recuperou uma carga de aproximadamente 25 toneladas de arroz ensacado, avaliada em cerca de R$ 110 mil, em virtude da deflagração da Operação Rice Up. Parte da carga foi recuperada em Morrinhos e parte, em Anápolis.

De acordo com as investigações, o caminhão carregado com a citada carga saiu da empacotadora localizada na cidade de Pelotas/RS com destino a uma empresa situada na cidade de Brasília/DF.

O transbordo de parte da carga para outro veículo aconteceu no meio do trajeto. Durante o percurso, o motorista, integrante de uma organização criminosa especializada em furtos e estelionatos de cargas, repassou mais de 20 toneladas para outro motorista e seguiu apenas com as cinco toneladas restantes, fazendo o trajeto que normalmente seguiria até o local da entrega, para não levantar suspeitas e, posteriormente, registrar Boletim de Ocorrência afirmando que havia sido roubado.

O motorista que recebeu as 20 toneladas de arroz retiradas da carga original foi parado pela PRF em Morrinhos. Na abordagem, a polícia desconfiou da nota fiscal e reteu a mercadoria. Em contato com a Decar e, subsequente contato com a empresa dona do produto, no entanto, as forças policiais descobriram que o motorista que havia retirado a carga em RS estava sem dar notícias há dois dias, conduta considerada suspeita.

Em virtude do cruzamento rápido e eficiente de informações entre as instituições de Segurança Pública que atuam no estado de Goiás, foi possível identificar o caminhão que permaneceu na rota original, carregado com cinco toneladas do alimento, e cuja interceptação foi realizada em Anápolis. Os dois motoristas foram indiciados pelos crimes de furto qualificado, receptação qualificada e ainda uso de documento falso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário