sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Fogo na Chapada dos Veadeiros já destruiu 36 mil hectares de vegetação



O incêndio que atinge a região da Chapada dos Veadeiros desde o último dia 12 já destruiu 36 mil hectares de vegetação, área que corresponde a 1,7 mil vezes à do Parque Areião, uma das áreas verdes mais conhecidas de Goiânia. Mesmo com mais de 200 pessoas atuando no controle das chamas, ainda não há estimativa de quando o serviço será finalizado.

De acordo com Dias, capitão do Corpo de Bombeiros responsável pela operação, o combate ao fogo é dificultado pelo relevo acidentado somado ao calor e à altitude. “Aqui nós estamos a 1,6 mil metros do nível do mar e venta muito”, explica Dias, sobre os fatores que comprometem o trabalho.

Além dos Bombeiros, brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além de voluntários, atuam na missão. No solo, os brigadistas trabalham com sopradores, abafadores e bombas d’água. No ar, três aviões chegam às regiões mais inacessíveis.

Metade da área afetada está dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. São cerca de 18 mil hectares da reserva ambiental, que abriga animais e plantas típicas do Cerrado (veja quadro). Até o momento, o incêndio não supera outro registrado em 2017, quando 35 mil hectares do parque foram destruídos. O local segue aberto para visitação, porque, segundo o ICMBio, a área do incêndio fica distante dos atrativos turísticos.

Sem perspectiva de controle, o incêndio pode seguir queimando a vegetação por muitos dias, explica o capitão do Corpo de Bombeiros. “Se o fogo tivesse caminhando para um lugar que nós sabemos que ele vai ancorar em um rio, por exemplo, dava para estimar, mas não é o caso. Pode durar até chover. É imprevisível”, explica Dias.

A pandemia de Covid-19 é mais um fator que dificulta o trabalho dos brigadistas. Até o momento, entre 40 testes realizados, 16 deram positivo para o coronavírus. Os profissionais foram afastados para acompanhamento.

O capitão diz que, diante das dificuldades, dividiu o trabalho em duas partes. Após o incêndio atingir dez casas na área rural, parte da equipe está de prontidão perto da área de residências, para garantir a segurança da população.

Sobre a capacidade de recomposição da vegetação, Dias considera que a maior parte das espécies de plantas conseguirá se manter viva. “A vegetação mais sensível não se recupera. Agora, o capim nativo e os coqueirinhos de ema, por exemplo, conseguem se recompor”, acrescenta o militar.

Investigação

A Polícia Civil ainda investiga a origem do incêndio. O capitão Dias lembra que provocar incêndios é ilegal mesmo em área privada. “Não importa se colocado de forma acidental ou proposital, se enquadram como o mesmo crime”, pontua Dias.

Decretos

Diante da crise, os municípios de Alto Paraíso e Cavalcante decretaram estado de emergência ambiental. Os decretos buscam viabilizar recursos para reforçar o combate ao incêndio, além de possível socorro econômico para a população que vive, quase unicamente, do turismo.

Os decretos dispensam licitações para contratos de “aquisição de bens necessários às atividades de resposta ao desastre, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários dos desastres”.

O prefeito de Cavalcante, Vilmar Kalunga (PSB), diz que o incêndio frustra a expectativa dos moradores de recuperarem a economia após a pandemia. “Com esse fogo, as pessoas não vão querer vir para cá”, reclama Vilmar.

Turistas cancelam reservas em pousadas

Os incêndios na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, completaram 12 dias nesta quinta-feira (23). Os desafios para combater o fogo permanecem e empresários passam por cancelamento de reservas.

Recepcionista da Pousada Vila Toá, localizada em Alto Paraíso de Goiás, Arthur Bastos diz que, por causa dos incêndios, os hóspedes estão desmarcando. “As pessoas acham que toda a Chapada está pegando fogo. Mas os atrativos da cidade continuam. Eu cancelei três reservas essa semana”, afirma. Arthur ainda relata que, como as pessoas estão de férias ou recesso, elas só podem ir para a Chapada dos Veadeiros nessa época do ano, assim a solicitação dos cancelamentos é por reembolso.

A mesma situação está ocorrendo na Casa da Lua Pousada. A recepcionista Jaciara Alves conta que até a semana passada as reservas estavam sendo realizadas normalmente. “Só nesta quinta-feira (23) foram dois cancelamentos. As pessoas ficam assustadas com o que está ocorrendo, mas as cachoeiras estão abertas”, afirma.

Fonte: O Popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário