quarta-feira, 6 de outubro de 2021

DEM e PSL aprovam fusão para criação do novo partido União Brasil


O DEM e o PSL deram mais um passo nesta quarta-feira (6) no caminho da fusão para a criação do novo partido União Brasil. O DEM aprovou a questão por aclamação e o PSL realizou votação individual, que teve aprovação por unanimidade. As duas siglas realizam ainda nesta quarta uma convenção conjunta para aprovar os projetos comuns de Estatuto e o programa do novo partido. Também será eleita a Comissão Executiva Nacional Instituidora, órgão nacional que promoverá o registro.

Os ministros Anderson Torres (Justiça) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo) compareceram às convenções individuais dos dois partidos. Ambos pretendem disputar as eleições do ano que vem e consideram a nova legenda. Flávia está hoje no PL, mas tem mantido conversas com dirigentes do DEM e do PSL. Ela pretende disputar uma vaga ao Senado. Torres, por outro lado, já tem relação com o PSL e visa conquistar uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Os ministros Onyx Lorenzoni (Trabalho) e Tereza Cristina (Agricultura) também participaram da convenção do DEM, partido ao qual são filiados. O apresentador de televisão José Luiz Datena, filiado ao PSL e tido como potencial nome para a disputa à Presidência da República, esteve presente na convenção conjunta.

Também estiveram presentes representando seus partidos o presidente do PSDB, Bruno Araújo; o vice-presidente do Cidadania, Rubens Bueno; o deputado do PDT Mário Heringer (MG); e o líder do MDB na Câmara, Isnaldo Bulhões (AL). O presidente do PSB, Carlos Siqueira, enviou carta ao novo partido.

A união das duas siglas criará a maior legenda com representação na Câmara, com potencialmente 81 deputados. A cúpula do novo partido, no entanto, sabe que haverá defecções, principalmente em março, quando se abrirá o período oficial para trocas de partidos.

Praticamente metade da bancada do PSL, que é ligada a Jair Bolsonaro, deverá deixar o partido. Já no DEM, disputas locais também podem causar baixas.

As cúpulas de DEM e PSL querem oficializar a fusão das legendas até outubro. Estimam que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) levará de três a quatro meses para homologação. A nova legenda precisará da confirmação até abril para disputar as eleições de 2022. O presidente do PSL, Luciano Bivar, deverá presidir a nova sigla.

Fonte: Poder 360º

Nenhum comentário:

Postar um comentário