quinta-feira, 14 de outubro de 2021

Gás já passa de R$ 130 em Goiás após 8ª alta no ano


Após os sucessivos aumentos nos preços do gás de cozinha, o consumidor tem cada vez mais dificuldade para comprar o produto, que ajuda a pressionar o orçamento. Com o oitavo aumento anunciado pela Petrobras este ano, no último dia 9 de outubro, de 7,2%, a estimativa é que o preço do botijão de 13 quilos passe dos R$ 120 na capital e dos R$ 130 em algumas revendas do interior do Estado.

Os proprietários de depósitos de gás falam em quedas de até 50% nas vendas, pois as famílias não conseguem mais manter um botijão de reserva cheio em casa.

Com o botijão custando o equivalente a 11% do salário mínimo de R$ 1.100, o consumidor também tem pesquisado muito mais antes de comprar e as famílias mais carentes imploram por mais descontos nas revendas.

Pequenos fogões à lenha feitos de alguns tijolos também ganham cada vez mais espaço nos quintais dos goianos.

Esta foi a estratégia usada pela diarista Doraci Jesus dos Santos para fazer o botijão de gás durar mais tempo e preparar as refeições para os três filhos. Ela conta que fez um pequeno fogão à lenha com alguns tijolos no quintal de casa para cozinhar feijão e outros alimentos que demandam mais tempo no fogo. Para isso, Doraci e o filho mais velho buscam a lenha usada numa pequena mata do bairro onde moram. “Como a chuva começou, já estou com medo de não conseguir mais lenha seca”, teme a diarista, com renda de menos de R$ 1,1 mil mensais.

De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que calcula a inflação para as famílias com renda de até 40 salários mínimos, o botijão de gás de 13 quilos já acumula um reajuste de 29,78% este ano e de 38,55% nos últimos 12 meses na capital. O presidente do Sindicato das Empresas Revendedoras de Gás da Região Centro-Oeste (Sinergás), Zenildo Dias do Vale, estima que o preço do botijão vai passar dos R$ 120 na capital e dos R$ 130 no interior após este último aumento anunciado pela Petrobras. O preço no produtor, que era de R$ 35,49 em janeiro, passou dos R$ 50.

“Muitas revendas estão fechando as portas porque não conseguem mais repassar tantos aumentos ao consumidor para repor seus estoques”, destaca Zenildo. Segundo ele, as vendas já acumulam uma queda de quase 50% desde o começo do ano. “Eu mesmo vendia cerca de 40 botijões por dia e hoje, vendo entre 15 e 20”, informa. O presidente do Sinergás conta que pais chegam com os filhos nos depósitos contando moedas, relatando suas dificuldades e implorando para que elas vendam o produto bem mais barato. “Isso chega a nos emocionar e, algumas vezes, ajudamos”, diz.

O empresário Henrique Junqueira, da Circular Gás, lembra que as revendas receberam um grande aumento no mês de setembro, resultado do aumento da pauta do ICMS e do dissídio das distribuidoras. Agora, serão mais R$ 3,50. “Estou pagando mais caro desde sábado e ainda não repassei. Ainda estou avaliando como a concorrência vai se comportar”, afirma. Ele garante que foram sucessivos aumentos que já deixou de repassar, o que significa uma margem de lucro cada vez menor.

Segundo Henrique, o repasse fica ainda mais difícil quando o cliente é um restaurante ou uma lanchonete, por exemplo, que precisa comprar mais de um botijão por dia. “Minha margem já caiu 40% desde março do ano passado. Hoje, trabalho com o mesmo lucro de 2015. Se fosse repassar tudo, já estaria cobrando mais de R$ 140”, garante. Enquanto isso, ele conta que dobrou seu consumo de combustível, pois mais de 99% das vendas são para entrega hoje. “Antes, a pessoa pedia 2 ou 3 botijões por vez e ficava muito mais tempo sem comprar. Hoje, ela só tem dinheiro para um e, por isso, entregamos mais vezes que antes”, explica.

O proprietário do Comercial de Água e Gás Ferreira, Fernando Alves de Freitas, informa que recebeu um reajuste de R$ 4,50 da distribuidora, que ainda não repassou. “Já estou alertando meus clientes sobre a alta para que eles se antecipem e comprem antes”, destaca. O empresário também garante que não conseguiu repassar todos os aumentos que recebeu desde o início do ano, pois as vendas já caíram cerca de 50%. “Quando subiu R$ 5, só consegui subir R$ 2 ou R$ 3, por exemplo. Se tivesse feito o repasse correto, já estaria vendendo o botijão por R$ 130. Mas, hoje, todo mundo pede desconto”, afirma Fernando.

Botijão vendido por R$ 50 como protesto ao governo

Um movimento realizado na manhã de ontem, em Goiânia, alertou para o aumento abusivo no preço do gás de cozinha e pediu a redução do valor cobrado pelo botijão, principalmente para as famílias mais carentes, que estão tendo mais dificuldade para comprar.

A ação “Tá caro? A culpa é do Bolsonaro” foi direcionada à comunidade do Jardim Curitiba e de uma ocupação no Setor Estrela Dalva, região Noroeste de Goiânia, e distribuiu 230 botijões de gás ao custo de R$ 50 cada, um valor considerado justo e acessível para a população.

Pelo menos mil pessoas carentes foram beneficiadas indiretamente pelo ato, promovido pelo vereador Mauro Rubem (PT), com o apoio da Federação Única dos Petroleiros (FUP), SindSaúde, Sint-ifesgo, Sinergás, Sindiposto, Fecomércio e Adufg. De acordo com o vereador, além do fornecimento do gás a um baixo custo, a ação também informou a população sobre política de preços praticada pelo governo federal.

O vereador lembrou que, entre 2003 e 2016, a Petrobras definia o preço do botijão de gás, gasolina e diesel em real, uma vez que toda a produção é feita no Brasil. Entretanto, atualmente, estes valores são cotados em dólar, o que promove a alta nos preços. Segundo ele, o problema pode ser ainda maior caso a Petrobras venha a ser privatizada. “Bolsonaro já vendeu a BR Distribuidora, antiga proprietária da marca de postos BR, e caminha agora para a venda de oito das 13 refinarias de petróleo que a Petrobrás possui”, destaca.

O governo federal tem culpado as alíquotas do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelos atuais valores dos combustíveis e gás. “Entretanto, durante nos últimos cinco anos, apesar das constantes elevações nos preços, não houve aumento do imposto. O presidente deu continuidade ao projeto iniciado por Michel Temer de garantir o lucro para os acionistas internacionais em detrimento do povo brasileiro”, destaca.

Ele lembra que, enquanto os acionistas internacionais enriquecem com a venda do petróleo brasileiro, a população do País está cozinhando à lenha ou até com álcool, o que é inaceitável.

A próxima etapa do movimento será feita com a venda de gasolina, visando forçar o governo federal a mudar a política de preços da Petrobras.

Fonte: O Popular



Nenhum comentário:

Postar um comentário