terça-feira, 16 de novembro de 2021

Moradores improvisam gaiola e se arriscam para atravessar córrego sem ponte em Niquelândia-GO; vídeo



A população do Vão do Meloso construiu uma gaiola, parecida com um teleférico, para atravessar o Córrego do Marreco, que separa o povoado da cidade de Niquelândia, no norte de Goiás.

Os moradores chegaram a comprar uma ponte em 2015, após juntarem R$ 23 mil, mas ela nunca foi instalada pela prefeitura.

A Prefeitura de Niquelândia informou, em nota, nesta terça-feira (16), que enviou técnicos da Secretaria de Viação e Obras para fazer levantar o custo para a construção de uma ponte no local.

"O projeto foi feito. Estamos aguardando agora a parte orçamentária para a execução desta obra. Ressaltando que se trata de uma obra de alto custo. Isso é um compromisso do prefeito, e está em nosso plano de governo construir essa ponte, ainda dentro deste mandato", diz a nota.

A gaiola foi comprada no ano passado, novamente, pelos próprios moradores. Ela funciona assim: uma pessoa fica soltando a corda enquanto a gaiola vai descendo com moradores dentro. Além de pessoas, ela comporta mantimentos, ferramentas de trabalho e até duas motos.

Boa parte do que os moradores precisam para viver está na cidade, como comércios, hospitais e escolas, só que para chegar lá depende do volume de água do rio. Quando está baixo, os moradores atravessam de caminhonete, cavalo ou andando mesmo. Mas quando chove, o nível sobe e é preciso usar a gaiola.

A dona de casa Abadia Cosme e o marido, Rosalindo, moram no povoado há 40 anos. Ela conta que, sempre que chega o período chuvoso, o casal estoca mantimentos por causa da dificuldade de chegar até a cidade.

“A gente passa cerca de 60 dias sem ir a Niquelândia porque de carro é difícil. O rio enche e fica difícil de a gente passar. Por isso, compro uma grande quantia para passar os dois meses ou mais”, disse Abadia Comes.

O serralheiro Vilmar Souza cortou a mão nos últimos dias e, além de percorrer 80 km para chegar ao hospital, teve que atravessar o rio caminhando. “Dei uma sorte grande porque o rio estava vazio", contou.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário